Polí­tica

Foto: Divulgação

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins, o deputado estadual Elenil da Penha (PMDB) defendeu uma solução para o problema da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do setor Vila Norte, em Araguaína. Inaugurada em 2011, na gestão do ex-prefeito Valuar Barros, a unidade nunca recebeu nenhum paciente e não há previsão de quando ela irá funcionar. “Araguaína tem duas UPAs: a unidade do setor Araguaína Sul e a da Vila Norte. Esta última, porém, está inoperante. Precisamos buscar uma solução para este problema. Temos que dar uma utilidade para aquele prédio, construído com o dinheiro do contribuinte e ainda não trouxe nenhum benefício para a população”, afirmou o parlamentar.

Elenil explicou que, para funcionar, a UPA da Vila Norte precisa de cerca de R$ 10 milhões por ano. O problema, segundo ele, é que apenas R$ 3 milhões são custeados pelo governo federal, sendo o restante de responsabilidade do município. “Em razão do custo anual, a prefeitura alega que não tem condições de ativar a UPA da Vila Norte. Na verdade, com a crise financeira enfrentada, atualmente, pelo estado e o atraso nos repasses de 2014, na ordem de R$ 5 milhões, o município tem tido dificuldade para manter em funcionamento os serviços já prestados na rede municipal de saúde, integrada pelo Hospital Municipal, pela Unidade de Pronto Atendimento do Araguaína Sul e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência”, argumentou.

Para Elenil, uma saída seria transformar a UPA da Vila Norte em um centro Traumato Ortopédico, sob a responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde do Tocantins. “Seria uma forma de desafogar o Hospital Regional de Araguaína. Hoje, sabemos que a demanda supera e muito a capacidade de atendimentos do HRA. Portanto, ao estadualizar a unidade construída na Vila Norte, equipando-a e disponibilizando profissionais para trabalhar nela, estaríamos contribuindo para a melhoria da saúde pública no município. É claro que, antes de mais nada, é preciso estudar esta proposta, avaliar a sua viabilidade. Contudo, sua concretização depende da iniciativa das autoridades e, por isso, trabalharei para levar esta e outras ideias até o prefeito Ronaldo Dimas (PR), o governador Marcelo Miranda (PMDB) e os secretários municipal e estadual da Saúde, para que, juntos, possamos discutir o assunto e encontrar o melhor caminho”, garantiu o deputado.