Palmas

Foto: Divulgação

O Superintendente de Igualdade Racial da Prefeitura de Palmas, José Mamédio Oliveira foi exonerado do cargo nesta quarta-feira, 10, após polêmica com relação a um vídeo no qual ele convidava para a Marcha da Maconha. O assunto foi à tona inicialmente pelo presidente da Câmara de Palmas, vereador Rogério Freitas (PMDB) que usou a tribuna para criticar a atitude do superintendente que gravou um vídeo convidando a população para participar da marcha. Rogério Freitas destacou que a mídia foi gravada, aparentemente, nas dependências de um órgão público.

A exoneração veio após os vereadores de Palmas criticarem a postura do ex-servidor na sessão da Câmara e cobrar explicações do prefeito sobre o fato. Mamédio é líder comunitário e na campanha de 2012 foi um dos primeiros a apoiar a campanha do prefeito Carlos Amastha (PSB).

Ele também foi um dos primeiros secretários a ser anunciados por Amastha assim que ele foi eleito.

Em entrevista ao Conexão Tocantins nesta quinta-feira, 11, Mamédio disse que foi mal interpretado. “Vivemos num País onde as pessoas tem a cabeça muito fechada para discutir alguns temas principalmente com relação à regularização da maconha. Quando convidei, não citei nome de ninguém, fui mal interpretado a intenção é discutir o tema”, disse.

Ele conta que o prefeito não conversou com ele sobre a exoneração. “Ele não conversou comigo, apenas o Adir (secretário Adir gentil) me comunicou que ele ia me exonerar porque os vereadores pediram minha cabeça. Os vereadores não quiseram saber o fundamento do meu convite, me agrediram como cidadão e como pessoa”, afirmou.

O ex-servidor disse que em nenhum momento fez apologia ao uso da maconha e que não é usuário.