Polí­tica

Foto: Divulgação

O prefeito de Almas, Leonardo Cintra (PSDB) permanece no cargo mesmo após decisão da justiça que determinou a cassação do gestor. Cintra recorreu da decisão e falta a Câmara da cidade ser citada da decisão e ainda dar posse ao vice-prefeito da cidade, Jurimar Trindade (PSD). Cintra é acusado de cometer crime de prevaricação e na participação no delito de usurpação de função pública.

Os vereadores estão de recesso e o presidente da Câmara está fora da cidade. O advogado de Cintra, Darci Coelho alegou ao Conexão Tocantins que a troca de gestores causará transtornos à administração.

O afastamento do prefeito de Almas foi determinado, na quinta-feira, 09 de junho, por meio de uma liminar, requerida pelo Ministério Público Estadual. Junto à decisão, foi especificado o prazo de 24 horas para que a Câmara Municipal dê posse ao vice-prefeito, Jurimar Trindade.

Pesa contra Leonardo Sette Cintra uma denúncia apresentada pelo MPE, segundo o qual o prefeito pouco participa da vida administrativa cidade, o que configura crime de prevaricação. Diante disso, é seu pai quem despacha em seu lugar, participa de solenidades, de reuniões e decide sobre contratações e demissões, entre outros atos, praticando usurpação de função pública. Diversos depoimentos e gravações em áudio e vídeo sustentam as acusações.

Por: Redação

Tags: Almas, Leonardo Cintra, Prefeitura de Almas