Estado

Foto: Divulgação

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou, através da resolução n° 543/2015 na edição dessa segunda-feira, 20, do Diário Oficial da União (DOU), a obrigatoriedade do uso de Simuladores de Direção Veicular na formação dos candidatos à Carteira Nacional de Habilitação (CNH) categoria “B”. Os Centros de Formação de Condutores (CFCs) terão até 31 de dezembro de 2015 para se adequarem a norma.

O uso dos Simuladores, que era opcional para a obtenção de todas as categorias de CNH - de acordo com a resolução n° 168 de 2014, agora é uma obrigatoriedade no caso da categoria “B”. Contudo, para as categorias C, D e E, as aulas com simuladores permanecem opcionais.

Segundo o Gerente de Atendimento, Credenciamento e Controle do Departamento Estadual de Trânsito do Tocantins (Detran-TO), Diógenes Gonçalves Albuquerque Filho, o Simulador de Direção Veicular oferece ao candidato a possibilidade de vivenciar diversos tipos de situações que ocorrem no trânsito, como: chuva, grande fluxo de veículos, situações de aquaplanagem e que exigem direção defensiva.

Além disso, a resolução 543, prevê a possibilidade do uso compartilhado do equipamento. “Dependendo da demanda de alunos, dois ou mais CFCs podem compartilhar um mesmo simulador. Este tipo de atividade será devidamente regulamentada pelo Detran”, explicou o Gerente de Atendimento, Credenciamento e Controle.

Simuladores de Direção Veicular

Em diversos países os simuladores de direção veicular já são obrigatórios para a formação dos condutores. Existem estudos que defendem a eficácia do uso de simuladores e apontam a redução nos índices de acidentes – que pode chegar a 50% entre os novos motoristas.

É o caso do estudo do Southern Califórnia Research Institute, nos Estados Unidos: “O Fiel Efeito do Simulador de Condução”, sobre a Eficácia da Formação, que foi realizado em 2007 por Allen, Park, Cook e Firentino.

Outra pesquisa, da Universidade Politécnica de Madri em conjunto com o Instituto Humanist e a Associação Européia para a Sociedade da Informação, resultou em um relatório, publicado em 2007, sobre a eficácia dos simuladores como ferramentas para treinar e educar os motoristas. De acordo com o relatório, os simuladores de direção são mais eficazes ao avaliar as condições para dirigir de candidatos com lesões cerebrais e as medidas de validação dos resultados são mais exatas do que um teste de estrada tradicional como preditor de condições e desempenho para dirigir. (Ascom Detran)