Cultura

Foto: Manoel Júnior Melck Aquino prestigiou a tradicional roda de Suça de Paranã ao som de tambores e violas dos foliões Melck Aquino prestigiou a tradicional roda de Suça de Paranã ao som de tambores e violas dos foliões
  •  Equipe técnica da Secult se reuniu com o prefeito Edson Nunes para discutir uma solução para a atual situação da Casa de Cultura de Paranã
  • Casa de Cultura de Paranã corre risco de perder convênio com Ministério da Cultura (MinC)
  • Secretário da Cultura, Melck Aquino, se reúne com gestores e foliões de Paranã, na Casa de Cultura

Em visita técnica para verificar a situação atual da Casa de Cultura de Paranã no sábado, 25, a equipe da Secretaria da Cultura (Secult) foi recebida pela secretária de Cultura do município, Ana Maria Benevides, e pela secretária de governo e comunicação, América Bezerra. O prédio, construído em 1904, já abrigou uma cadeia pública e a prefeitura e atualmente é sede de um ponto de cultura que busca preservar as tradições locais, como a Folia do Divino e a Suça. Após um café da manhã com gestores e foliões que estavam na cidade, o secretário da Cultura, Melck Aquino conheceu as instalações do local e em seguida, se reuniu com foliões para conhecer um pouco mais sobre a realidade cultural da cidade.

Os foliões do povoado de Espírito Santo e de Santana do Tocantins receberam o secretário com muita musicalidade e fé, mostrando as cantorias tradicionais da folia, a dança da Suça e o orgulho pela cultura popular de Paranã. Depois da apresentação, os foliões puderam expressar as suas preocupações sobre o descaso com as manifestações populares da cidade nos últimos anos.

O representante da Associação dos Foliões do Tocantins, Euler Rui Barbosa, pediu mais visibilidade e divulgação das as manifestações culturais da cidade, que foi berço das ideias separatistas do Tocantins. “Precisamos de apoio para a associação dos foliões, não temos sede para poder receber e dar suporte aos foliões. Precisamos que a Secretaria da Cultura nos apoie e nos ajude com projetos que deem condições para que os foliões continuem com essa tradição”, explicou. Folião de Paranã, Amilton Rodrigues, também demonstrou preocupação com a continuidade do giro da Folia. “Somos humildes e fazemos o giro todo ano, mas muitos já estão desistindo de participar do giro, que dura de 30 a 40 dias porque não temos como dar assistência para a nossa família. Precisamos de um suporte para que a nossa cultura, as nossas tradições não se acabem. Precisamos de uma parceria com o Estado”.

Preocupado com a preservação das manifestações populares do Estado e ciente da importância histórica da cidade na luta pela emancipação do Estado, o secretário Melck Aquino garantiu o apoio da Secult na elaboração de projetos e na captação de recursos para a cultura de Paranã. “A cultura do Estado precisa ser revitalizada e é muito importante ouvir vocês para que a gente conheça a realidade dos municípios tocantinenses. Esse giro, essa Folia tem que continuar e o nosso compromisso é estabelecer uma relação com os gestores e o agentes culturais de Paranã para que a Secretaria ajude com projetos e captação de recursos para que essa festa não acabe”, afirmou ao falar que estava feliz em participar do encontro. O secretário também disse que Paranã tem a Secult como “parceira a partir de agora”. A Secult também irá estudar uma possível realização do primeiro encontro de Folias do Estado.

O secretário se propôs a conversar com a associação dos foliões para elaborar um projeto específico para a Folia do Divino da cidade e convidou os gestores municipais a contribuírem e participarem da audiência pública na Assembleia Legislativa, a ser realizada no dia 6 de agosto, que vai discutir a destinação de emendas parlamentares para a cultura. “Queremos sensibilizar os deputados a destinarem verbas específicas para manifestações tradicionais do nosso Estado e não só para a realização de eventos de artistas de fora”, ressaltou. A equipe técnica da Secult também estará à disposição para ajudar o município de Paranã a construir um plano municipal de cultura e, assim, poder participar das Conferências Estaduais de Cultura dos próximos anos.

Casa de Cultura de Paranã

Em visita técnica às instalações da Casa de Cultura de Paranã, a equipe da Secult se reuniu com o prefeito Edson Nunes Lustosa e com a secretária da Cultura, Ana Maria Benevides, para explicar a atual situação do convênio entre o ponto de cultura, gerido pela prefeitura, e o Ministério da Cultura (MinC). Correndo o risco de ser fechada devido à falta de apoio e continuidade do projeto pela gestão anterior, a Casa de Cultura está passando por dificuldades e precisa da mediação do governo estadual junto ao Ministério. Preocupado com o prejuízo que o fechamento do ponto de cultura representaria para o município, o secretário Melck Aquino e sua equipe querem tentar reverter a situação.

Na reunião, a assessora jurídica da Secult, Kerley Mara Barros, explicou que de acordo com o convênio o município estaria encarregado do pagamento do quadro de funcionários e da adaptação do prédio às atividades previstas no projeto, como um laboratório de informática para aulas de inclusão digital e um pequeno auditório para apresentações artísticas. Já o Ministério ficaria encarregado da entrega dos equipamentos para o funcionamento do local. Após a avaliação do local pela arquiteta da gerência de Unidades Culturais da Secult, Gilzyanne da Costa, ficou acordado que o projeto será readaptado a fim de garantir a continuidade do convênio.

O prefeito de Paranã disse estar interessado na permanência do convênio e agradeceu a iniciativa da Secretaria da Cultura em resolver o problema.  Ele também explicou que, por diversas vezes, procurou a administração anterior para tentar chegar a algum acordo, mas que não obteve apoio e apontou “a falta de vontade da gestão anterior em ajudar”. Também disse que foi duas vezes em Brasília resolver a situação para que o convênio não acabasse e Paranã perdesse esse importante espaço cultural.

Ficou acordado que a Secult irá apresentar ao MinC uma proposta de prorrogação do convênio para a reestruturação e adaptação do projeto à realidade do espaço da Casa e que em contrapartida a prefeitura irá custear as reformas necessárias. O secretário da Cultura afirmou estar feliz com o acordo e ressaltou que o município terá “todo o apoio da gestão estadual para que a cultura de Paranã seja resgatada e valorizada”.