Polí­cia

Foto: Divulgação

Dando continuidade às ações de combate à criminalidade, que têm sido realizadas pela Polícia Civil em todo o Estado do Tocantins, Policiais Civis da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) de Palmas, em ação conjunta com agentes do 1º e 2º Distritos Policiais de Colinas do Tocantins e a DP de Arapoema deflagraram a operação “Clone”, que resultou na apreensão de dois veículos de luxo, avaliados em quase R0 mil, além de uma arma de fogo com numeração raspada.

De acordo com o delegado Vinicius Mendes de Oliveira, que comandou a operação, foram apreendidos, no município de Bandeirantes do Tocantins, um veículo Fiat Strada Working CD, de cor cinza, ano/modelo 2014/2015, o qual estava em poder de Jovair Fernandes Nunes, de 55 anos. Com o homem, a Polícia Civil também apreendeu um revólver calibre 38, municiado e com numeração raspada. Dando seqüência as ações da operação Clone, os policiais civis apreenderam em poder de Orley Ramos Amaral, de 40 anos de idade, um Chevrolet Cruze LT, de cor prata, ano modelo 2014.  

Conforme o Delegado Ronie Augusto Esteves, um dos delegados responsáveis pela operação, ambos os veículos são “clonados”, ou seja, ostentam placas de veículos diversos aos do chassi original, os quais se encontram adulterados, sendo que o veículo GM Cruze foi furtado, em dezembro de 2014 e a Fiat Strada, roubada, em fevereiro de 2015, ambos na cidade de Goiânia/GO.

Os dois flagrados foram conduzidos até a Central de Flagrantes de Colinas do Tocantins onde foram autuados pela prática do crime de receptação dolosa, sendo que Jovair também foi autuado por porte ilegal de arma de fogo. No entanto, Orley recolheu a fiança de oito salários mínimos, a qual foi estipulada pela autoridade policial e com isso, ganhou o direito de responder ao processo em liberdade. Devido ao crime de porte de arma de fogo com numeração raspada, Jovair foi recolhido à carceragem da Cadeia Pública de Colinas, onde permanece a disposição do Poder Judiciário.

Os dois veículos foram submetidos a perícia oficial do Estado, a qual constatou que os mesmos são produto de origem criminosa e, diante disso, a equipe da DEIC providenciará a restituição dos mesmos aos seus legítimos proprietários. (Ascom SSP)