Economia

Foto: Divulgação

O comando volante de fiscalização Palmas realizou blitz nas entradas da capital nesta última quarta-feira, 5, para combater a sonegação fiscal. Quatro cargas com irregularidades na documentação fiscal que tentavam entrar em Palmas foram retidas e autuadas. A ação foi realizada no posto de pesagem localizado na rodovia que liga Palmas a Paraíso e no posto da polícia militar na rodovia que liga Palmas a Porto Nacional.

Em uma das ocorrências, o caminhão baú, carregado de cerveja, foi abordado e apresentou nota fiscal com destino ao estado do Pará, mas não justificou porque estaria fora de rota. Imediatamente, os auditores fiscais iniciaram o procedimento de investigação e descobriram vários indícios de que a mercadoria seria descarregada em Palmas, seguindo o "modus operandi" de uma quadrilha que vem sendo investigada no Estado.

Segundo a nota fiscal, a carga é composta por 2.560 latas, avaliadas em cerca de R$ 63.201,60, o que gerou um imposto de R$ 25,280,24 mil. A carga já foi liberada depois de recolhidos o imposto e multa.

Pias e tanques de concreto

A outra ocorrência envolveu um caminhão carregado com pias e tanques de concreto. A mercadoria pertenceria a uma construtora do estado, mas não especificava a obra para a qual se destinava. Os auditores fiscais, sabedores da atuação de construtoras na venda ilegal de produtos que deveriam ser empregados em obras próprias, decidiu acompanhar a descarga. O motorista do caminhão então reconheceu que a mercadoria seguiria para Tocantinópolis, confirmando os indícios de irregularidade. Como a nota fiscal passou a ser configurada como inidônea, considera que a mercadoria está sem nota fiscal. No total são 150 pias e 150 tanques de concreto avaliados em R$ 15 mil e que devem gerar uma arrecadação de R$ 3,8 mil em impostos e multa por sonegação fiscal. 

Colchões Magnéticos

Uma camionete também foi parada transportando três colchões magnéticos avaliados em R$ 10 mil reais, com documentação fiscal inidônea. No único documento fiscal apresentado, constava que a mercadoria saiu de Goiânia (GO) e estava destinada à Aparecida de Goiânia (GO), e que seria destinada a conserto. Comprovada a fraude, a carga foi retida e autuada, sendo liberada só depois do pagamento do imposto e multa que totalizaram pouco menos de R$ 2 mil reais.

Carne

Um carregamento de carne de um frigorífico de Porto Nacional também foi autuado por transportar mais mercadorias do que constava em nota fiscal. A carga excedente de 1.655 quilos seria distribuída em restaurantes e açougues de Palmas. A mercadoria avaliada em R$ 24.825,00 foi autuada em R$ 5.088,00 de impostos e multa e o dono da mercadoria ainda foi autuado em mais R$ 500 por embaraço à fiscalização ao insistir em acobertar a sonegação fiscal, tentando enganar os auditores fiscais.

Por: Redação

Tags: Fiscalização, Sonegação Fiscal