Campo

Foto: Divulgação
 

O Departamento Técnico da Coapa divulgou nesta segunda-feira, 10 de agosto, o resultado do experimento realizado com 17 variedades de sementes de milho cultivadas em uma área de 8 hectares, na zona rural de Pedro Afonso.

Os grãos foram plantados em janeiro deste ano e colhidos no final de junho. O objetivo foi apontar quais variedades se adaptariam melhor às condições de ambiente da região de Pedro Afonso.

Os resultados da pesquisa mostram bons resultados, destaque para a produtividade por hectare e a resistência a pragas. Segundo o engenheiro agrônomo da Coapa, Eduarte Bonafede, que coordenou o experimento, 15 variedades produziram bem acima de 90 sacas de 60 quilos, que é a média de produtividade da região na atual safra. Uma das variedades rendeu 130 sacas por hectare.

Ganho econômico

Esses avanços na quantidade de sacas por hectare animam o produtor rural que cedeu o espaço para o experimento.  “O custo de produção é alto. Se o produtor sabe qual semente é melhor, a chance de ter uma produção maior mais ganhos financeiros aumenta consideravelmente”, avaliou Evanis Roberto Lopes.

Além de produtividade na cultura de milho, os testes mostram uma perspectiva na melhoria de solos para outras culturas, pois a palha que fica na área depois da colheita protege o solo da ação do sol, dificulta a germinação de ervas daninhas e com a decomposição vira matéria orgânica.

Somado a isso tem a questão econômica, principal foco do produtor.  “Milho Safrinha já é uma realidade em nossa região, este ano nos mostrou isto com uma boa produtividade. A cultura do milho vem para melhorar o rendimento do agricultor”, comentou o agrônomo. “Não podemos esquecer que o milho safrinha é uma cultura que tem que ser plantada com todas as tecnologia necessárias”, orientou.

Resistencia a pragas

As amostras se mostraram bem viáveis, também, por que não tiveram a produtividade comprometida mesmo com a falta de aplicação de controles de pragas. “O detalhe que mais chamou a atenção foi a resistência a lagarta. De propósito não foi aplicado fungicida na lavoura experimental, assim a doença entrou e mesmo assim não comprometeu a produtividade, mas não podemos arriscar nos próximos plantios”, comemorou o agrônomo.

Em abril deste ano, a Coapa realizou um dia de campo, onde técnicos da cooperativa e de empresas parceiras forneceram detalhes sobre o plantio, além das tecnologias e produtos indispensáveis para se obter bons resultados na produção de milho.

A instalação do campo experimental teve o apoio da Syngenta, Primaiz, Pionner, Dow AgroSciences, Nidera, Bayer e Nortox.

Sementes disponíveis

Depois dessa ação e os bons resultados, os produtores podem recorrer à cooperativa para adquirirem as amostras de milho que geraram os resultados positivos na pesquisa.

Por: Redação

Tags: Pedro Afonso, campo