Polí­tica

Foto: Divulgação

O vereador professor Júnior Geo (PROS) subiu à tribuna na manhã dessa quarta-feira, 9, para falar sobre a busca do diálogo por parte dos professores municipais com o Executivo. A Secretaria Municipal de Educação (Semed) teria postado nas redes sociais antes mesmo de se reunir com a categoria que não existem motivos para greve e que além de não existirem os problemas em pauta, o indicativo seria fruto de articulação política. O parlamentar rebateu afirmando atender as demandas em busca de uma educação de qualidade e procurar, em conjunto com a categoria, o diálogo com o poder público.

Para o vereador, educação de qualidade não se restringe a infraestrutura e salário, é o conjunto das necessidades incluindo condições dignas de trabalho. Após sua visita em Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), constatou janelas abertas por não poderem ligar o ar condicionado devido à falta de orçamento ou mesmo à falta de estrutura de energia, que segundo o vereador é fruto da má gestão.

“A possibilidade remota de greve não é bem vinda a ninguém, porém, é um instrumento de luta após diversas tentativas de solução, após um desgaste sequencial. Essa luta trará benefícios para todos. Seu filho precisar estar na sala de aula com ar condicionado funcionando, conforto do número correto de alunos por educador, além de professores educando e não apenas cuidadores”, ressalta Geo.

Reunião com a categoria

A reunião ocorrerá na próxima quinta-feira, 10, às 9h, em formato de sessão especial para que a categoria e outros membros da sociedade tenham espaço para se posicionar. O objetivo seria o diálogo entre o poder público e a sociedade em busca de soluções referentes ao indicativo de greve estabelecido pelos professores da rede de ensino municipal.  O secretário Municipal de Educação, Danilo de Melo, representantes do Ministério Público Estadual (MPE-TO) e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Tocantins (SINTET) foram convidados para debater a educação municipal além dos próprios educadores.