Polí­tica

Foto: Divulgação

Depois de mais de oito horas de viagem, passando por um percurso longo, com estrada de chão, atoleiros e travessia pelo Rio Javaés para chegar às aldeias indígenas situadas na Ilha do Bananal, a equipe de técnicos da Justiça Eleitoral do Tocantins já comemora os resultados dos primeiros dias de trabalho de cadastramento biométrico dos índios karajás da região.

Desde o último domingo, 13, técnicos do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO) e da 13ª Zona Eleitoral de Cristalândia montaram postos recadastramento biométrico nas aldeias Santa Izabel, Fontoura e Macaúba, todas da etnia Karajá para realizar a identificação biométrica de cerca de 1.000 eleitores indígenas, residentes na Ilha do Bananal.

Anteriormente, o juiz Eleitoral da 13ª ZE, Wellington Magalhães e o chefe de Cartório, Carlos Moreno dos Santos Júnior, juntamente com técnicos do TRE-TO, se deslocaram à Ilha em agosto para se reunirem com as lideranças indígenas e conheceram a logística do atendimento nas aldeias.  

Na oportunidade foram feitos testes de conectividade do local, funcionamento da conexão segura por uso de VPN, condições das instalações físicas e elétricas, espaço físico para montagem dos Kits (atendimento biográfico e biométrico), logística para deslocamento das equipes, verificação de climatização dos ambientes, entre outros.

Segundo o chefe do Cartório da 13ª Zona Eleitoral, Carlos Moreno dos Santos Júnior, até o momento, tudo tem ocorrido dentro do previsto, nas aldeias. “Os indígenas estão atendendo ao nosso chamado. Estão bem curiosos para saber como funciona a biometria. Grande parte deles levam os filhos para participarem do processo. O nosso trabalho aqui está sendo muito gratificante”, conta com satisfação Carlos Moreno.

Um dos primeiros eleitores indígenas cadastrados com a biometria, o cacique Iwararu Karajá, falou da alegria e satisfação que o seu povo está sentindo. “Como é difícil chegar às aldeias a gente achava que o cadastramento não ia chegar aqui. Mas agora estamos vendo com os nossos olhos que isso está acontecendo. Isso é mais um reconhecimento para povo Karajá”, comentou o cacique. 

A equipe permanece nas aldeias até o próximo domingo, 20, quando o cadastramento está previsto para terminar.