Polí­tica

Foto: Divulgação  Rogério Freitas disparou inúmeras críticas à secretária municipal de Ação Social da Prefeitura de Palmas, Eliane Campos Rogério Freitas disparou inúmeras críticas à secretária municipal de Ação Social da Prefeitura de Palmas, Eliane Campos

O clima esquentou na sessão desta quinta-feira, 24, na Câmara de Palmas. O presidente da Casa de Leis do município, vereador Rogério Freitas (PMDB), foi o primeiro a usar a tribuna e disparou inúmeras críticas à secretária municipal de Ação Social da Prefeitura de Palmas, Eliane Campos. “Aqui na Capital a secretária de Ação Social presta um desserviço à população Palmense. A secretária vive em um mundo da fantasia", chegou a dizer.

Rogério Freitas afirmou que a secretária encaminhou a Procuradoria Geral do Município (PGM) um pedido de análise para o uso do espaço e serviço de alimentação do Restaurante Comunitário de Palmas. Segundo Freitas, a secretária ainda quer um aumento de 50%, indo de R$ 2 para R$ 3 a refeição servida no local. "Nós queremos saber o que tem aumentado nessa velocidade de 50% se nós acompanhamos que nós tivemos um aumento considerável na arrecadação (da Prefeitura de Palmas). Passamos por um momento difícil, de crise nacional e os usuários do Restaurante Comunitário tem uma sinalização por parte da Secretaria de Ação Social em um aumento de 50% em um prato de refeição", criticou. De acordo com Rogério Freitas, a secretária quer que seja apresentado o Número de Informação Social (NIS), conhecido como Atestado de Pobreza para que as pessoas possam se alimentar no local. 

Rogério Freitas argumenta que a Secretária Municipal de Ação Social tem o objetivo de atender as pessoas menos favorecidas, mas o que se vê em Palmas é o contrário. Segundo ele, as famílias humildes enfrentam dificuldades ao serem atendidas pela pasta. "Essa secretária (Eliane Campos) quer que Palmas tenha a Secretaria da miséria absoluta. Se não for pobre, se não tiver atestado de pobreza, não pode enterrar seus defuntos, não pode comer no restaurante comunitário e consequentemente não pode viver em Palmas", criticou o presidente da Câmara, que ainda continuou: "Estamos reféns de secretários que querem ditar os ritos do município. Que querem fazer de suas pastas, pequenas prefeituras onde as decisões são tomadas de forma monocrática. Esses prefeitinhos tem que saber que em Palmas existe uma Câmara que os fiscaliza e vai verificar a aplicação dos recursos”, afirmou.

Os vereadores apoiaram as afirmações do presidente da Casa de Leis. O vereador Adão Índio (PSL) chegou a dizer que a secretária está enlouquecendo. "Pela crise que estamos vivendo e agora tem que ter atestado de pobreza para comer lá?! Aquele restaurante tem feito a diferença nessa cidade. É família inteira, é pessoa de baixa renda, que não tem o que comer em casa e com apenas dois reais tem aquela refeição", afirmou. O parlamentar Jucelino Rodrigues (PTC) disse ficar impressionado pela maneira como os secretários tratam os menos favorecidos. “Fico pensando como que certos secretários só pensam em prejudicar o menor. Certas pessoas tecnocratas, que tem o coração de pedra e quer prejudicar", disse. 

Waldson da Agesp (PT), disse que o momento não pede aumento e se a secretária pede o Atestado de Pobreza à população, a ação acarretará em redução no número de usuários daquele restaurante. “O momento que nós passamos na economia do nosso Brasil, essa secretária está um pouco equivocada. Hoje está claro a dificuldade que a população está vivendo até de colocar alimento dentro da casa e fazer as três refeições por dia e o Restaurante Comunitário, nesse momento, é um local que a gente percebe que a população está procurando cada vez mais. Acredito que o procurador geral desse município ( Públio Borges) vai pegar essa proposta da secretária e vai rasgar”, afirmou. 

O vereador Claudemir Portugal (PPS), disse que a secretária Eliane Campos precisa ser convocada para discussão sobre as medidas adotadas. "Nessa situação que a cidade está passando, a população não pode sofrer mais esse baque", frisou. O vereador pastor João Campos (PSC), disse que Palmas já cobra impostos exorbitantes. "Na verdade é praticamente inacreditável se essa situação é realidade. Isso é bastante sério, complicado e traz dificuldades a sociedade carente", afirmou. 

O vereador Emerson Coimbra (PMDB), disse que a secretária será convidada a prestar esclarecimentos e reforçou as falas do presidente Rogério Freitas. "São prefeitinhos que estão sendo postos em cada uma das secretarias", concluiu. 

Mais 

Eliane Campos é a segunda secretária da gestão Amastha a ser criticada pelos vereadores. Ontem, 23, o vereador Rogério Freitas, defendeu afirmações do vereador Milton Neris que repudiou atitudes da secretária de Desenvolvimento, Cleide Brandão. Milton Neris chegou a dizer que Cleide prestou papel de ordinária em relação aos pequenos comerciantes, empreendedores de Palmas.