Saúde

Foto: Divulgação

O implante de prótese de silicone é uma das cirurgias plásticas mais procuradas, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. No entanto, nos anos 2000 a preferência era por próteses mais volumosas. Já atualmente, as mulheres estão optando por formatos menores e que fiquem em harmonia com o corpo.

Vale ressaltar que antigamente as mulheres mais corpulentas e com seios maiores eram consideradas referências de beleza, porém, essa perspectiva mudou, e o corpo mais esguio e com seios naturais viraram padrão de beleza.

Segundo uma análise da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, SBCP, em 2013, foram feitas cerca de 112.800 mamoplastias redutoras. Isso significa um aumento de 9% em relação ao ano anterior e 157% superior ao número de operações realizadas em 1997.

Muitas mulheres, que já colocaram implante mamário, procuram cirurgiões plásticos para retirar a prótese ou substituí-la por um modelo menor e que esteja equilibrado com o corpo. Porém, em muitas situações, a mamoplastia redutora tem indicação cirúrgica.

Nesses casos, as pacientes apresentam problemas de coluna e postura, dores nas costas e nos ombros, limitação na realização de exercícios físicos e, até mesmo, problema psicológicos. Por ter vergonha do próprio corpo elas evitam relacionamentos e eventos sociais. 

Por isso, o especialista deve fazer uma avaliação criteriosa de cada caso e observar qual é a principal motivação da sua cliente para querer realizar a intervenção. Independente da condição, é extremamente importante que a paciente tenha expectativas reais em relação aos resultados.

Vale ressaltar que próteses de silicone menores não garantem um resultado permanente, com o tempo pode ser que ocorra uma queda natural da região. Da mesma forma que próteses maiores associadas ao envelhecimento podem causar flacidez, queda da região das mamas e problemas na coluna. 

Como fica a cicatriz da mamoplastia redutora?

A principal dúvida da maioria das pacientes é com relação as cicatrizes. Porém, elas dependem de alguns fatores, como por exemplo, o tamanho da incisão, cicatrização do paciente, curativos, cuidados com a ferida e técnica utilizada na operação.

Geralmente, a técnica utilizada é a de T invertido. Portanto, na maioria dos casos a cicatriz fica ao redor da aréola.  No entanto, os procedimentos avançados, tratamentos específicos e medicamentos que auxiliam a cicatrização fazem com que as marcas fiquem mais discretas e quase imperceptíveis com o passar do tempo. Após um ano ou um ano e meia a cicatriz fica mais clara e pouco evidente, atingindo a sua forma definitiva.

A mamoplastia redutora dura em média três horas e é realizada com anestesia geral. Geralmente, a alta hospitalar ocorre em até 24 horas após a cirurgia plástica. Veja quais são os principais cuidados pós-operatórios:

·         Dieta moderada;

·         A retomada de atividades, como trabalho e estudo pode ocorrer em 20 dias;

·         Uso de sutiã cirúrgico;

·         Evitar esforços físicos;

·         É recomendável fazer drenagem linfática para diminuir o edema.

Independente do procedimento que a mulher deseja realizar é fundamental que a motivação seja investigada criteriosamente pelo cirurgião plástico. Além disso, é fundamental que a paciente tire todas as suas dúvidas durante a avaliação médica e não esconda possíveis vícios e hábitos do dia a dia. Esses cuidados são essenciais para o sucesso da cirurgia plástica.