Educação

Foto: Divulgação

Após um intenso dia de votações, os professores da Universidade Federal do Tocantins (UFT) decidiram nesta quinta-feira, 24, por 153 votos a 123, manter a greve da categoria. O anúncio oficial foi realizado nesta sexta-feira, 24, no Câmpus de Palmas. A última votação do dia ocorreu no final da tarde em Araguaína, ocasião em que 35 docentes votaram para a manutenção da greve e apenas 7 para o término da paralisação.

Conforme informações, os professores da Universidade Federal do Tocantins (UFT) – Campus Palmas decidiram por 59 votos a 58 manter a greve da categoria. No total foram cinco abstenções e 10 ausências. A greve já dura quatro meses e tem como principal bandeira a luta contra o corte no orçamento da Educação e melhorias na universidade. Os alunos  aguardam o desfecho e continuam sem aulas.

Técnicos

Os técnicos administrativos da Universidade Federal do Tocantins (UFT) decidiram suspender a greve. A paralisação começou em maio e iria completar quatro meses no próximo dia 28. Em nota, o sindicato da categoria informou que tomou a decisão porque não houve qualquer avanço nas negociações com o governo. O documento diz ainda que a intenção é mobilizar os servidores e fortalecer as bases para um "futuro momento de luta".

As assembleias aconteceram em diversos câmpus universitários e a maioria enfatizou que "não aceita o acordo proposto pelo governo federal, mas que por não haver mudança no cenário nacional, que possibilite o avanço nas negociações, eles suspenderam a greve". A nota diz ainda que as atividades serão retomadas após orientações do Comando Nacional de Greve da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnicos-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (CNG/ Fasubra).