Polí­tica

Foto: Marcos Oliveira

O senador Donizeti Nogueira (PT/TO), em discurso no plenário do Senado na noite dessa quarta-feira, 07, disse ficar "imaginando se essas contas fossem da presidente Dilma ou do líder do PT no Senado ou na Câmara, o barulho que os grandes meios de comunicação estariam fazendo hoje. Aparecem as contas na Suíça e a oposição, que vem alardeando aos quatro ventos contra o Governo da presidenta Dilma, se cala, fica muda, não diz nada. Por que isso? Não são eles os defensores do combate à corrupção?”, questionou. 

O senador afirmou estranhar o comportamento da imprensa, que dissemina inverdades, como o aparelhamento do Estado pelo Partido dos Trabalhadores. Donizeti esclareceu que as despesas dos governos petistas com cargos em comissão em relação ao PIB são menores que nos governos anteriores e melhores qualificadas.

De acordo com dados do IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), os servidores em cargos comissionados são majoritariamente servidores concursados e a quantidade de servidores com nível superior aumentou de 27,9% em 1995 para 44,7% em 2015, com mestrado, de 2% para 7% e servidores com doutorado, de 0,8% para 12,3%, o que demonstra uma clara tendência à profissionalização da gestão pública. O parlamentar ainda chamou atenção para o número de servidores filiados a qualquer partido: apenas 13% dos servidores em cargos comissionados possuem ligação política.

Mesmo caso observado em relação à crise econômica mundial, que devido ao jogo político, cria a falsa sensação de que o país está pior do que há 13 anos. Donizeti Nogueira apresentou dados que mostram que a economia brasileira é forte e estável. “A relação dívida/PIB no final do Governo FHC era de 118%, ou seja, era como se o cidadão que ganhasse R$ 1.000 devesse R$ 1.180. A relação dívida/PIB hoje é de 51%, ou seja, é como se um cidadão que ganhasse R$ 1.000 devesse só R$ 510”, afirmou.

O senador ainda condenou o parecer do Tribunal de Contas da União, que recomendou ontem a reprovação das contas da presidenta Dilma de 2014. Segundo Donizeti, todos os questionamentos feitos pelo TCU foram respondidos pelo Governo e as práticas agora condenadas, foram usuais, não só pelo presidente Lula, mas também no governo FHC. “O Governo não fez nada que não fazia anteriormente e que os outros presidentes tinham feito anteriormente. Não fez nada que fugisse da regra vigente. Mas agora, para se somar ao golpismo, alguns entendem que é preciso corrigir a regra depois do jogo terminado. Isso está errado!”, finalizou o senador.