Palmas

Foto: Divulgação Servidores trabalham insatisfeitos por causa de corte salarial Servidores trabalham insatisfeitos por causa de corte salarial

Os arquitetos, engenheiros, geólogos, geógrafos e técnicos da área que foram atingidos por cortes que vão de 30 a 50% nos salários e gratificações estão na expectativa para uma audiência esta semana com o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB). A informação é do presidente da Associação dos Servidores Públicos do município integrantes do Sistema Crea, Confea, CAU/BR, Roberto Campos Pinto ao Conexão Tocantins nesta terça-feira, 13. As categorias esperam há semanas por este encontro com o gestor para discutir a insatisfação e corte realizado sem aviso prévio aos servidores.

Segundo Campos, o encontro está sendo intermediado pelos secretários Marcílio Ávila e Claudio Schuller, secretários da Infraestrutura e Finanças, respectivamente. A categoria tem realizado Assembleias Gerais toda semana e não descartam um indicativo de greve porém uma proposta deve ser feita ao Executivo Municipal a fim de minimizar a situação.

“Faremos uma Assembleia na quinta-feira e estamos aguardando o encontro com o prefeito. Queremos um acordo para amenizar a situação porque o corte foi drástico demais”, disse o representante das categorias. As Assembleias realizadas em conjunto pelas categorias tem contando com presença massiva dos servidores impactados pela medida, cerca de 100.

As categorias querem que o gestor se comprometa a pagar pelo menos o piso salarial de nove salários mínimos para a carga horária de oito horas, conforme previsto no concurso das categorias. “A proposta é que pague pelo menos o piso, que é o básico, por exemplo,  na iniciativa privada o pagamento do piso é obrigatório”, disse. As categorias estão dispostas a negociar com o prefeito sobre a indenização de transporte.

Corte

A polêmica começou ainda no mês passado quando o prefeito cortou, sem aviso prévio aos servidores, a gratificação de R$ 1904,00, a título de indenização de transporte e que igualava os vencimentos das categorias ao piso nacional. A conquista é do ano de 2007 e foi retirada pela atual gestão que alegou necessidade de cortes na estrutura para enxugar a máquina.