Polí­tica

Foto: Divulgação

Lúcio Campelo (PR) havia alertado em sessão anterior para um possível remanejamento de R$ 18 milhões de recursos da Educação. Na terça-feira,15, o parlamentar retornou à tribuna para explicar o que aconteceu. "O que ocorreu foi falta de planejamento em não cumprir o orçamento proposto pela Secretaria Municipal de Educação", declarou Campelo. 

Em 2014  foi apresentado o planejamento estratégico da Educação na peça orçamentária para 2015, que instituía R$ 253 milhões de recursos para a educação municipal. Mas ao chegar a Secretaria de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Humano, a proposta orçamentária sofreu um corte de R$ 18 milhões, reduzindo o orçamento para a educação em 2015 para R$ 235 milhões, segundo Campelo. 

"Hoje a educação municipal de Palmas está enfrentando extrema dificuldade, em um processo de greve, por falta de responsabilidade e comprometimento da Secretaria de Gestão,  que nada faz sem autorização do prefeito", falou o parlamentar. 

Hoje a administração já gastou R$ 17 milhões a mais que o orçamento. " Se a administração palmense tivesse mantido os R$ 253 milhões proposto pelo planejamento da secretaria, acrescido os R$ 17 milhões, teríamos um orçamento de R$ 273 milhões. Os professores teriam suas progressões e titularidades pagas, a LDB não precisaria ser burlada para criar os MDI's,  os alunos não estavam sem aulas, e o prefeito não estaria sofrendo tamanho desgaste".