Campo

Foto: Divulgação

A segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa foi aberta oficialmente na manhã desse domingo, 1º de novembro, em Araguaína. “Somos fortalecidos por um Governo que sabe da importância da sanidade animal, pelo comprometimento dos nossos servidores e dos pecuaristas, que nos levará num futuro próximo ao status de livre de febre aftosa sem vacinação”, destacou o presidente da Adapec, Humberto Camelo, durante a solenidade de abertura.

O secretário estadual do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), Clemente Barros, que representou o governador Marcelo Miranda, enfatizou a conquista do Tocantins, que há 18 anos se mantém livre da doença com vacinação. “Chegamos neste patamar com muito sucesso, pois mesmo com um rebanho de mais de oito milhões de animais a cada campanha vacinamos quase 100% do rebanho, e exportamos para o mundo inteiro”, enfatizou.

O município de Araguaína conta com 233.407 bovídeos (bovinos e bubalinos), distribuídos em 1.442 propriedades rurais e a regional composta por 13 municípios representa 11,91% do rebanho tocantinense. “A sanidade animal é fundamental para agroeconomia do Estado, onde a nossa pecuária é destaque e gera o fortalecimento da economia,” disse o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas.

O produtor rural de Araguaína, Epaminondas de Andrade, da Fazenda Vale do Boi, que trabalha com a pecuária seletiva, com melhoramento genético da raça Nelore, disse que o evento provoca um alerta para a importância de vacinar o gado. “A cada ano estamos mais conscientes, pois não adianta ter gado bom, mas doente”, disse.

A solenidade contou com ainda com a participação do secretário Estadual de Articulação Política, Paulo Sidney, do presidente da Agência Tocantinense de Regulação (ATR), Jota Patrocínio, deputados Federais, César Halum e Lázaro Botelho, demais autoridades, servidores e pecuaristas.

Campanha

A segunda etapa da campanha antiaftosa ocorre de 1º a 30 de novembro, com a expectativa de vacinar aproximadamente quatro milhões de bovídeos (bovinos e bubalinos) com até 24 meses de idade, declarados em maio. Na ultima etapa da campanha realizada em maio deste ano o índice vacinal alcançou 99,26% do rebanho, bem acima da meta estipulada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Sanções

A vacinação é obrigatória e o produtor rural tem até 10 dias, após a compra da vacina, para comprovar o ato na Adapec. Caso contrário poderá ser multado em R$ 5,32 por animal e R$ 127,69 por propriedade não declarada. Mesmo os produtores que não têm animais em idade vacinal devem procurar a Agência para atualização cadastral de todo o rebanho, incluindo outras espécies, da propriedade rural.