Economia

Foto: Divulgação

O número de endividados em Palmas continua expressivo, a estimativa é que quase 50 mil pessoas estejam endividadas com algum tipo de dívida, sejam elas: financiamentos, carnês, cartão de crédito, crédito consignado, entre outros. Mas segundo a mesma pesquisa, que mede o endividamento e a inadimplência dos consumidores de Palmas (PEIC), o índice se mantém estável desde o mês de agosto. Em outubro, 73.6% dos entrevistados disseram ter dívidas e 12,4% estão inadimplentes. A boa notícia é que apenas 0,3% não terão condições de pagar essas contas em atraso.

Para o presidente da Fecomércio, Itelvino Pisoni, esta estabilidade do nível de endividamento é mais um sintoma da estagnação econômica. “Estamos nos deparando com diversas características de uma crise socioeconômica, dentre elas está a cautela dos consumidores, que preferem não se endividar, com medo dessa instabilidade que assola a economia como um todo. É natural que as famílias se sintam inseguras e cortem despesas, bem como não façam novas dívidas, principalmente a longo prazo”, explicou.

A pesquisa mostrou ainda que da amostra total de endividados, 70,4% consideram-se pouco endividados. O comprometimento médio da renda familiar com dívidas ficou em 32,8%, patamar aceitável segundo especialistas em finanças para que não haja prejuízos ao planejamento familiar. Além disso, foram apontadas também as médias relacionadas ao tempo de atraso, que ficou em 47 dias, e sobre o tempo de comprometimento com essa dívida, que chegou em 8,8 meses.

O ranking dos tipos de dívidas mais comuns continua com a mesma formatação, em primeiro lugar o cartão de crédito com 71,2% dos endividados. Seguidos dos carnês, que somam 29,7% desses consumidores e do financiamento de carro, que chegou a 27,5%. A pesquisa foi feita com 500 famílias de Palmas, nos últimos 10 dias do mês de setembro. A Peic é realizada através de uma parceria entre a Fecomércio Tocantins e a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Por: Redação

Tags: Fecomércio, Itelvino Pisoni