Campo

Foto: Divulgação

Teve início no dia 1º de novembro, nos municípios de Porto Nacional, Brejinho de Nazaré, Ponte Alta do Tocantins, Monte do Carmo, Colinas do Tocantins, Bandeirantes e Palmeirante, a vacinação obrigatória contra raiva dos herbívoros (bovídeos, equídeos, ovinos e caprinos) independente da idade. A Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec) emitiu a Portaria nº 444, de 02 de outubro de 2015, exigindo a imunização dos animais após a constatação de incidência de focos da doença nestas regiões.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo, destacou a importância da imunização dos animais como forma de evitar que a doença se propague. “A vacinação contra a raiva é o meio mais seguro de controle da zoonose, por isso, conclamamos os produtores rurais destes municípios para que vacine todos os animais herbívoros e evite prejuízos econômicos,” disse Humberto.

O responsável técnico do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros (PECRH), José Emerson Cavalcante, disse que os produtores rurais devem adquirir a vacina nas lojas agropecuárias e, após efetuar a vacinação, comprovar a mesma junto à Adapec.

José Emerson lembra que os cuidados com a vacina são os mesmos da aftosa, mantendo-a conservada numa temperatura entre 2º e 8º graus em caixas de isopor com gelo. A vacinação deve ocorrer preferencialmente em horários mais frios, devendo ser repetida em 30 dias, para os animais vacinados pela primeira vez contra a raiva.

Monitoramento de abrigos e captura de morcegos hematófagos

Atenta ao controle da raiva no Tocantins, a Adapec realizará entre os dias 5 a 11 de novembro, ações de captura de morcegos hematófagos, monitoramento e cadastramento de abrigos nos municípios de Rio Sono, Tocantínia, Palmas, Pugmil e Porto Nacional.

Segundo José Emerson, nestes municípios, os técnicos e inspetores da Agência atenderão demandas apresentadas por produtores rurais em áreas de focos de raiva. Ele disse que a captura de morcegos hematófagos e o monitoramento dos abrigos são medidas importantes para o controle populacional da espécie, principal transmissor da raiva, “porém nenhuma destas medidas é mais eficaz que a vacinação,” pontuou.

A Adapec alerta aos produtores rurais mesmo os que estão fora dos municípios obrigados a vacinar para que, por medida de segurança, vacine anualmente o rebanho contra a raiva, como forma de prevenção da zoonose. E, caso sejam encontrados animais com a sintomatologia da doença (andar cambaleante, salivação, decúbito lateral) a orientação é para evitar a manipulação dos animais e procurar imediatamente o escritório da Adapec mais próximo.