Estado

Foto: Divulgação

Dentre as propostas prioritárias do candidato à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional Tocantins (OAB-TO), Gedeon Pitaluga, pela chapa 30 OAB Para Todos, está o plano de representação qualificada para a classe dos advogados previdenciários. Com o objetivo de apresentar as propostas para o setor e também os candidatos que irão representar o grupo na gestão de Pitaluga, a Chapa OAB Para Todos reuniu os advogados previdenciários da capital, e algumas cidades do Estado, no comitê OAB Para Todos, neste sábado, 07.

Os advogados previdenciários, que compõem a chapa de Pitaluga, dentre eles o candidato à Conselheiro Titular, Ricardo Estrela, a candidata à Conselheira Seccional Suplente, Diolina Parfieniuk, os candidatos ao Tribunal de Ética e Disciplina, Ariane de Paula Martins e Ricardo Andrade, e o candidato a presidente da Comissão de Direito Previdenciário, Jadson Sousa, apresentaram as propostas de representação qualificada para a classe, dentre elas está o objetivo de lutar pela instalação da junta de recursos da previdência no Estado do Tocantins, pela central de conciliação na Justiça Federal e do Conselho Interestadual de Previdência e do Juizado Especial da Fazenda Pública.

Após ouvirem propostas de Gedeon Pitaluga, e sua luta na causa dos advogados previdenciários, além da sua trajetória classista em prol da advocacia tocantinense, os advogados falaram da importância dessa valorização e representação qualificada. “O Gedeon foi o único candidato que eu vi que realmente abraçou a causa dos previdenciaristas. Já ouvi as propostas das outras chapas, mas antes mesmo de ouvir as propostas dos outros candidatos eu vi o Gedeon agir. Foi o único que agiu em prol da defesa do advogado previdenciarista. Foi isso que conquistou a maioria dos advogados que atuam nessa área, porque antes de um pleito eleitoral ele já havia defendido nossa causa, como hoje continua defendendo, não ficou somente em propostas, já existe concretização”, comentou o advogado previdenciário Romar Veloso.

“As propostas veiculadas pelos colegas do advogado Jadson são viáveis para a advocacia previdenciária, porque hoje vivemos um momento muito crítico. O advogado hoje está sendo criminalizado por algo que não comete, em vista de está cobrando honorários como fruto do seu trabalho, e não para obter lucro em cima de quem não tem condição. São propostas excelentes, que vão dá mais liberdade e acesso à justiça para os cidadãos”, destacou o advogado Jhean Carlos Félix.

Gedeon Pitaluga reafirmou o compromisso de valorização do setor. “Não fiz nada além de reconhecer essa representatividade dos advogados previdenciaristas, isso é mérito de todos vocês. Não sou previdenciarista, mas não pude deixar de acompanhar as dificuldades que a advocacia previdenciária vem sofrendo ultimamente. Reassumo meu compromisso de fazer da advocacia previdenciária um setor forte, de fazer dessas dificuldades uma grande oportunidade, um case de sucesso e valorização. Do primeiro ao último dia do mandato, se Deus me permitir, darei prioridade de valorização da advocacia previdenciária tocantinense e brasileira, é um compromisso de reconhecimento”, finalizou Pitaluga.

Alteração do Código de Ética proposto por Gedeon Pitaluga

No dia 16 de outubro, a proposta de Gedeon Pitaluga, de alteração do Código de Ética e Disciplina da OAB e da Advocacia, no Art. 50, § 2°, que define critério mais justo para fixação de honorários da advocacia previdenciária, autorizando expressamente a cobrança de honorários advocatícios sobre parcelas vencidas e vincendas, foi aprovada no Conselho Federal da OAB. A proposta de Pitaluga, direcionada por advogados tocantinenses, fortaleceu a advocacia previdenciária brasileira e deu o primeiro passo para maior valorização da classe.