Estado

Das quatro Assembleias Gerais convocando os servidores para discutir o não cumprimento do acordo por parte do Governo do Estado entre outras demandas da saúde, o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Tocantins (Sintras) realizou a primeira na manhã desta terça-feira, 10, em Augustinópolis.

Na pauta também constava o pagamento das gratificações garantidas pela Lei nº 2692/2012, plantões extras e pagamento do adicional noturno e insalubridade conforme lei nº 2.670 de 19 de dezembro de 2012.

Após debate e discussão os servidores decidiram pela deflagração da greve e continuar exigindo que o governo pague seus direitos. Ficou acertado que após a última assembleia que será realizada na próxima sexta-feira, 13, na sede central do Sintras em Palmas, a diretoria do sindicato informará ao governo sobre a decisão da categoria notificando sobre a deflagração da greve.

Conforme a decisão dos servidores, a paralisação ocorrerá se o governo não abrir negociação imediatamente com a classe e continuar descumprindo o acordo.

Também será causa da greve, segundo o sindicato, se o governo não atender as reivindicações da categoria como retornar com o pagamento dos salários no quinto dia útil de cada mês; e não retornar, até o final do ano, os serviços de saúde para o hospital em Augustinópolis que foram transferidos para Araguatins.

Entre as reivindicações consta ainda a melhoria das condições de trabalho nas unidades hospitalares.

Segundo o sindicato, enquanto o Governo do Estado não se manifesta sobre o assunto, os servidores de Augustinópolis e região já começam a se mobilizar para o movimento paredista no hospital.