Polí­tica

Foto: Divulgação

Durante a sessão ordinária desta quarta-feira, 2 de dezembro, na Câmara de Palmas, o vereador Professor Júnior Geo (PROS) questionou o motivo do atual gestor da Prefeitura de Palmas, Carlos Amastha (PSB) ter se referido àqueles que estão fiscalizando possíveis irregularidades no Instituto de Previdência Social do Município de Palmas (PreviPalmas) como “babacas” em uma rede social. “Estamos aqui para fiscalizar e não podemos ceder às ofensas do prefeito da cidade”, disse o vereador.

Júnior Geo também fez uma reflexão acerca de quem está incluso nesta definição do prefeito Carlos Amastha. “A quem ele está chamando de babaca? Somos nós os fiscalizadores? Afinal, quem é o babaca?”, questionou o vereador.  

O parlamentar lembrou também que não é a primeira vez que o prefeito utiliza as redes sociais para ofender os vereadores da Casa de Leis de Palmas. “Ele já nos chamou de ladrões e bandidos. Não podemos fazer nosso trabalho, que somos desrespeitados pelo atual gestor”, ponderou.

A publicação

Em uma publicação em seu perfil no Twitter, na manhã desta quarta-feira, o prefeito de Palmas, Carlos Amastha, afirmou que aqueles que têm se preocupado com a desvalorização e perda de um montante de R$ 26.363.402,44 de ativos no (PreviPalmas) são “babacas”. Segundo o post de Amastha, os denunciantes nunca vão encontrar uma irregularidade no manejo do dinheiro do PreviPalmas na atual gestão.

Na sessão de ontem, o vereador Júnior Geo levou à tribuna a denúncia desta perda já protocolada pelo presidente do Conselho de Previdência do Município (CMP), Antonio Chrysippo de Aguiar, no Ministério Público Federal (MPF).