Polí­tica

Foto: Divulgação

Na sessão ordinária da última quinta-feira, 10, os vereadores discutiram demandas levadas à Câmara por servidores.  Na ocasião, Júnior Geo (PROS) cobrou a equiparação dos salários e questionou um ofício que exige dos servidores a quitação de débitos com o município e com a justiça. Caso não estejam em dia, o documento afirma que os contratos serão desfeitos.

Para Geo, há imoralidade na cobrança, visto que o secretário de infraestrutura do próprio município tem problemas com a justiça e não tem quitação eleitoral. “Ele está ilegalmente exercendo o cargo e é imoral cobrar isto de todo e qualquer servidor não tendo quitação eleitoral. Então que se faça a retirada do secretário do cargo”, afirmou.

Também houve cobrança quanto a equiparação salarial.  O parlamentar afirmou que apesar do “Carreira Justa”, plano de redução de distorções de cargos e carreiras do município instituído por Comissão da Secretaria de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Humano, não ter chegado à Casa para apreciação, os dados obtidos nesse projeto geram um equilíbrio salarial entre as diversas categorias do município e precisam sair do papel. “Mas para chegar a esse equilíbrio salarial, não estamos falando em retirar reajuste daqueles que estão com salário melhor, e sim de equiparar os salários menores aos que têm a melhor remuneração”, defendeu.

Votação da Lei Orçamentária Anual (LOA)

A Câmara de Palmas está realizando reuniões com as categorias de servidores durante a última semana para discutir as demandas de cada segmento e analisar a possibilidade de apresentação de emendas à Lei Orçamentária Anual enviada pelo Executivo e pendente de votação. Representantes de diversas áreas já estiveram presentes e têm até a próxima segunda, às 14h, para enviar todas as propostas a serem avaliadas pela comissão responsável, tendo em vista que a última sessão ordinária prevista para 2015 será na terça-feira.