Polí­tica

Foto: Divulgação

Após nenhum registro no ano passado, o Tocantins registrou nos últimos meses 40 casos de microcefalia em bebês, porém, ainda em fase de investigação para saber a causa. Nos últimos 10 dias o número de casos saltou de 28 a 40.

Os casos foram registrados nos seguintes municípios: Almas, Angico, Aragominas, Araguaína, Brejinho de Nazaré, Centenário, Colinas, Darcinópolis, Dianópolis, Divinópolis, Formoso do Araguaia, Goiatins, Lagoa do Tocantins, Natividade, Nova Olinda, Novo Acordo, Palmas, Porto Nacional, Santa Tereza do Tocantins, Tocantínia e Wanderlândia. O Estado está  garantindo tratamento e acompanhamento adequado a todas as gestantes, mães e bebês do Estado estão recebendo acompanhamento adequado.

No dia 3 de dezembro o número chegava a 12, uma semana depois havia dobrado para 24. No ano passado, nenhum caso havia sido registrado. De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesau), ainda não existe confirmação se o zika vírus é o agente causador dessas malformações. 

Prefeituras

Além do Estado, as prefeituras começaram a desenvolver e intensificar as ações específicas para alertar a população sobre a doença. Em Araguaína, por exemplo, Dia D de Combate à Dengue, Chikungunya e Zika reuniu servidores da saúde, colaboradores e parceiros em uma caminhada de conscientização em Araguaína na manhã desta terça-feira, 15. A ação chamou a atenção de moradores e comerciantes no percurso de dois quilômetros entre a Praça das Bandeiras, no Centro, e a Praça do Automóvel, no Setor Santa Luzia. As pessoas pararam as atividades para ler as faixas e cartazes, um deles, com o tema principal: “O perigo aumentou e a sua responsabilidade também”. A mobilização foi realizada pela Prefeitura de Araguaína, por meio da Secretaria da Saúde.

A coordenadora do Programa de Combate à Dengue em Araguaína, Mariana Parente, relatou que, um dos principais objetivos da caminhada é chamar a atenção da população, para a conscientização quanto limpeza em quintais e lotes baldios. “Com a colaboração de toda a comunidade fica mais fácil, os profissionais de saúde combater o mosquito. A tarefa de limpeza para evitar focos é de todos”, lembrou.

Terrenos baldios

Intensificando as ações de combate, um georreferenciamento realizado pela Secretaria de Saúde, localizou 7.506 lotes baldios, na cidade. “Os proprietários desses imóveis já estão sendo notificados para realizarem a limpeza e ajudar no combate ao mosquito”, explicou o superintendente de Vigilância de Saúde do Município, Eduardo de Freitas.

A fiscalização é um trabalho em conjunto das secretarias da Saúde, Infraestrutura e do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia.

Orientações

Agentes de endemias e comunitários em saúde estão intensificando as ações de orientações técnicas sobre as doenças aos moradores. “Muitos ainda têm resistência e não deixam que os agentes entrem nas casas. Essa atitude prejudica o nosso trabalho e pode também trazer transtornos para a própria família, caso contraia alguma das doenças. Com as orientações e se detectamos em tempo focos podemos juntos evitar doenças”, relatou a agente comunitária de saúde Aucilene Brito.

Quem sabe da importância de limpar os quintais é a dona de casa e moradora do Bairro São João, Maria de Jesus Ribeiro. “Tenho duas casas e em todas as duas realizo uma limpeza constante. Não deixo lixo acumulado e, como tem árvores, retiro as folhas que caem e frutos todos os dias”, contou.