Economia

Após identificar mais de R$ 7 milhões em Fundo de Garantir do Tempo de Serviço (FGTS) sonegados no Tocantins no primeiro semestre, números recentes mostram que, devido à mobilização dos Auditores Fiscais do Trabalho, que ocorre desde agosto, a média de notificações caiu 82,3%.

Enquanto nos 7 primeiros meses do ano observou-se uma média de mais de R$ 1,1 milhão de FGTS notificados por mês, nos últimos 4 meses essa média não passa dos R$ 200 mil. Segundo a Delegacia Sindical dos Auditores Fiscais do Trabalho no Estado do Tocantins, essa queda reflete a indignação da categoria com o tratamento dado pelo governo.

"Em um momento no qual a inflação foge do controle, superando a marca dos 10% em 2015, o governo tenta impor um reajuste salarial de 5,5%, válido somente a partir de agosto de 2016. Isso representa, na prática, uma redução salarial da ordem de 9%, considerando a inflação projetada para o período", diz Felipe Póvoa, vice-presidente da Delegacia Sindical.

Segundo Póvoa, cumprindo determinação judicial, os auditores estão mantendo 30% das atividades, focadas em fiscalizações de atrasos de pagamento de salário, trabalho escravo e risco grave à saúde ou à vida dos trabalhadores