Polí­tica

Foto: Divulgação

O ano de 2016 começa com o planejamento dos pré-candidatos à prefeitura da capital Palmas/TO. Com o início do ano eleitoral as articulações começam a se intensificar. O primeiro candidato é o atual prefeito Carlos Amastha (PSB) que tentará reeleição, mas que vem recebendo muitas críticas por parte da população, devido às denúncias de má gestão dos recursos públicos e corrupção, além do aumento exorbitante de taxas e do IPTU que chegou em alguns casos a 1000%. O prefeito, que é tratado no meio da população pela alcunha "Amastaxa" e que vem sendo criticado por estar, segundo os críticos, apenas maquiando o centro da capital, teve também um ano de 2015 difícil por ter de enfrentar greves de algumas categorias dos servidores municipais e segue com resistência negativa entre os mesmos.

O prefeito, entretanto, vem tentando aumentar sua base política para formar um palanque forte. Além do PSD do deputado federal Irajá Abreu a última legenda  a ser cooptada pela Prefeitura de Palmas é a Rede, criada ano passado e que conta com a indicação de Rafael Boff na gestão municipal. Mas se por um lado tenta ampliar a base, o prefeito deve perder alguns aliados como o PT, que já determinou que deverá ter candidato próprio ao paço municipal. O nome lançado é o do deputado estadual, José Roberto Forzani.

“Garanto aos companheiros que serei candidato. A candidatura não é do deputado Zé Roberto; ela é do PT, e com a união de todos seremos vitoriosos, pois estamos fazendo isso pra valer”, garantiu o pré-candidato que chegou a dizer ainda que pretende fazer até três reuniões por dia. Ele criticou ainda o poderio econômico nas eleições.

Além do pré-candidato do PT, o PV também confirmou o nome da vice-governadora Claudia Lelis como o nome da legenda. Claudia substitui o marido, ex-deputado estadual, Marcelo Lelis, que ainda tenta na justiça reverter sua inelegibilidade. A pevista tem se movimentado nos bairros ouvindo as demandas dos moradores. "Nunca estive tão motivada para lutar pelo povo de Palmas como agora”, afirmou a vice-governador após ser indicada como candidata.

Para o presidente da sigla, Marcelo Lelis, a indicação de Claudia tem incomodado. “Se essa indicação tem incomodado nossos opositores, é porque eles sabem muito bem do que a vice-governadora é capaz, conhecem o trabalho dela”, disse.

Além de Claudia Lelis, quem está percorrendo os bairros da capital é o ex-prefeito Raul Filho (PR). O ex-gestor tem reunido aliados e montado sua estratégia para emplacar uma candidatura. Politicamente já tem o apoio declarado do senador Vicentinho Alves, presidente regional da legenda, e do deputado federal Vicentinho Junior que já garantiu que será o maior cabo eleitoral de Raul. O deputado Vicentinho Junior é filiado no PSB, partido do qual o prefeito Amastha tomou a presidência estadual que era exercida até então pelo prefeito de Gurupi e ex-deputado federal, Laurez Moreira. 

Gaguim  e Wanderlei no páreo 

Durante o ano passado o deputado federal e coordenador da bancada federal no Congresso Nacional, Carlos Gaguim (PMB/TO) afirmou por várias vezes que pretende disputar a prefeitura. Em 2016, aliados garantem que a pretensão continua. Gaguim fez várias críticas à gestão da capital e, agora, no comando do Partido da Mulher Brasileira, já busca reunir partidos e aliados para tentar disputar.

Além de Gaguim, o deputado estadual Wanderlei Barbosa, que é presidente metropolitano do Solidariedade, também confirmou intenção de disputar. Durante o ano de 2015 Wanderlei foi o principal opositor do atual prefeito e fez várias denúncias com relação a investimentos e gastos da prefeitura da capital.

Outros nomes são citados para a disputa porém ainda fazem movimentações tímidas como é o caso do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos do PTB e do presidente do PEN, ex-deputado Aragão.