Campo

Foto: Divulgação

Assim como os seres humanos, os cães são suscetíveis aos parasitas internos, mais conhecidos como vermes. Há diferentes tipos de vermes, sendo os mais comuns os intestinais. Eles são transmitidos pela água, pelos alimentos, pelo contato com fezes, outros animais, entre outras formas de contágio.

Segundo gerente técnica da Virbac (laboratório farmacêutico veterinário), Fabiana Zerbini, os sintomas de verminose em cães são vários, entre eles a diarreia, emagrecimento progressivo, crescimento tardio, barriga inchada, fezes com consistência mole e às vezes com sangue, além de anemia, além de outros sintomas menos comuns. 

As infecções parasitárias acometem cães de todas as idades, mas usualmente são mais prevalentes em filhotes. Alguns parasitas são transmitidos durante a gestação e/ ou amamentação, caso a mãe tenha vermes. 

Diagnóstico e Prevenção

O animal deve ser levado ao veterinário. Um exame de fezes detecta a presença de vermes. Após o resultado, o profissional estará apto a indicar o tratamento. 

Para prevenir o estágio de verminose, os proprietários de cães devem fazer vermifugação periodicamente. Em geral, os veterinários recomendam de três em três meses com reforço 15 dias após a vermifugação.

Para o verme do coração é recomendada uma dose a cada mês. Outras precauções: higienizar com frequência os locais onde ficam os animais, sempre fazendo uso de produtos adequados, e não permitir o contato destes com fezes de outros animais, o que pode acontecer durante passeios em locais públicos, por exemplo.

Contaminação

Os humanos podem ser contaminados pelos cães. A doença neste caso é considerada uma zoonose quando é transmitida a partir dos animais. A infecção humana ocorre principalmente pela ingestão de ovos larvados presentes no solo poluído ou em objetos do animal e em mãos contaminadas com fezes.

Cães podem ser parasitados por diversas espécies de vermes redondos (nematóides) e chatos (cestóides). Os animais também podem ser contaminados por protozoários (giárdia).