Economia

Foto: Divulgação

Pesquisar sempre antes de efetuar a compra de material escolar é a orientação que o Procon Tocantins dá aos pais e responsáveis já que, após realizar pesquisa comparativa nos seis maiores estabelecimentos da capital em 100 itens solicitados na lista das escolas, constatou  variação de até 376% em um produto. No caso, o giz de cera, estojo com 12 cores da mesma marca, encontrado com menor preço de R$ 1,31 e o maior a R$ 6,24. Os fiscais foram a campo de 7 a 12 de janeiro.

A pesquisa considerou o produto de menor preço, com materiais idênticos de fabricantes líderes de mercado como marca texto Faber Castell, de R$ 1,83 a R$ 7,04 numa variação de 284,70%. Os campeões na diferença de preços observados na pesquisa do Procon Tocantins são, além dos já citados, a caneta esfereográfica vista de R$ 0,79 a R$ 2,72, com variação de 244,30%. A cola em bastão com o menor preço encontrado custa R$ 2,24 e o mais caro R$ 6,56, com variação de 192,86%. Outro item de destaque na variação é o caderno brochurão linha mais lisa, que pode ser encontrado em um estabelecimento com o preço de R$ 4,40 e em outro a R$ 15,00 numa variação de 240,91%.

A lista demonstra a variação de preços dos produtos com menores e maiores valores médios de venda. Foram listados itens essenciais para os estudantes como canetas hidrográficas, apontadores, borrachas, cadernos, colas em bastão e líquida, giz de cera, lápis preto e lapiseiras, marca texto e massas de modelar, réguas, tesouras, corretivos, papel, pincel, tinta.

O gerente de Fiscalização do Procon Tocantins, Magno Pinto, lembra que, além de consultar a pesquisa de preço, é preciso verificar quais os materiais de uso coletivo que não podem ser exigidos do aluno, conforme a Lei 12.886/2013, que proíbe a exigência dos itens de uso coletivo como materiais de escritório ou de limpeza. Segundo a norma, a exigência é abusiva e os produtos devem ser de responsabilidade das escolas.

Dicas para o consumidor

Para evitar gastos desnecessários, o consumidor pode verificar antes da compra, quais os produtos da lista de material que já possui em casa e que ainda possam ser utilizados. A compra em conjunto também pode ser uma maneira de obter maiores descontos.

Outra recomendação é promover e participar da troca de livros didáticos entre alunos que cursam séries diferentes. Além de buscar o menor preço é importante que o consumidor não se esqueça de verificar a qualidade e procedência dos produtos, evitando prejuízos pela necessidade de nova compra em pouco tempo e, até mesmo com riscos à saúde e segurança das crianças. A compra de produtos em vendedores informais deve ser evitada.

Desde fevereiro de 2015, alguns produtos como apontadores, borrachas, canetas hidrográficas e esferográficas, dentre outros, só podem ser comercializados com o selo do Inmetro.

A pesquisa completa pode ser encontrada no site www.procon.to.gov.br

Por: Redação

Tags: Magno Pinto, Material Escolar, Procon