Polí­tica

Foto: Aldemar Ribeiro

O deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (PTB) fez uma análise do cenário político para as eleições em Palmas/TO durante entrevista ao site Conexão Tocantins na manhã desta terça-feira, 2. Cotado como um dos nomes que pode tentar disputar a Prefeitura da capital, Eduardo afirmou que não sabe ainda se pode disputar ou não, porém, adiantou: “não sinto necessidade de ser candidato em todas as eleições”, disse.

A escolha do candidato que vai apoiar passará por vários aspectos, segundo o deputado. Com relação ao atual prefeito, Carlos Amastha (PSB) que será candidato à reeleição, Eduardo disse que é preciso avaliar quais os interesses dele no pleito estadual de 2018 já que o prefeito já deixou claro por várias vezes que tem pretensões eleitorais. “Vou analisar o processo: quem são os candidatos e por quanto tempo. Se for prefeito só por um ano e dois meses aí já passo olhar e ser mais exigente como eleitor para o vice", disse. 

O parlamentar citou alguns compromissos de campanha feitos por Amastha e que não foram cumpridos como a quebra do monopólio no transporte coletivo. “Não mudou sistema de transporte, dentre outras coisas. Vejo uma equipe boa, vejo aspectos positivos, mas tenho discordância de prioridades seríssimas. Por exemplo, vejo BRT's parados em outras capitais e sei que a maior prioridade de Palmas não é essa”, disse.

A regulamentação do Plano Diretor de Palmas foi citada pelo parlamentar como um dos principais desafios da capital atualmente.

Candidatos

O deputado analisou ainda os outros nomes já colocados para disputa e algumas variantes no processo eleitoral como, por exemplo: o suposto apoio da senadora Katia Abreu à candidatura de Amastha. “O prefeito vai conseguir manter aliança com Katia? A senadora fará este compromisso?”, questionou.

Eduardo propôs ainda que a população compare o ex-prefeito Raul Filho (PR) com o atual gestor Amastha. “A maior ameaça ao candidato Amastha seria a população fazer um comparativo na postura de afago de comunicação, empatia, simpatia, de se dar no corpo a corpo com o ex-prefeito Raul Filho”, alfinetou.

Segundo o parlamentar, a divisão da oposição favorece Amastha. “Enquanto oposições estiverem perdidas, sem alternativa clara para apresentar ao governo, ele (o Amastha) tem a vantagem”, disse.