Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado Elenil da Penha (PMDB) cobrou do secretário estadual da Educação, Adão Francisco, soluções para o problema do transporte escolar no Setor Costa Esmeralda, em Araguaína, durante sessão nesta quarta-feira, 24. O parlamentar informou que a Secretaria Estadual da Educação (Seduc), suspendeu por meio de portaria, o transporte escolar naquela localidade. “Que o Adão possa colocar alguém lá na Delegacia Regional de Ensino de Araguaína para dizer ao povo do Costa Esmeralda o que está acontecendo, o que vai fazer”, enfatizou.

Elenil disse que os alunos que residem no Setor Costa Esmeralda, ficam entre 10 a 15 km de distância do centro de Araguaína, da escola mais próxima, e necessitam do transporte para terem acesso ao ensino. Elenil informou ter entrado em contato com o secretário Adão nesta última terça-feira, 23, para solicitar explicações. “Ele disse que no local que não tiver a escola eles buscarão possibilidade de colocar uma extensão. Fiz contato com a diretora ou delegada regional de ensino da cidade de Araguaína que também recebeu o contato do secretário Adão. Segundo o secretário, adotaria uma providência”, explicou.

O deputado chamou a atenção para a falta de comunicação com a população. “Chamo a atenção para a necessidade do Estado, governo, não só na educação mas em todas as secretarias e departamentos, terem um comunicador para falar isso para a sociedade e imprensa porque isso causa perplexidade. Se eu tenho meu filho, não tenho condições e se meu filho não tem possibilidade de ser transportado ou pegar um coletivo para ir até uma escola. Isso é impossível do cidadão compreender e mais difícil ainda é não ter quem possa dar o esclarecimento necessário”, afirmou.

Elenil da Penha ainda chamou a atenção para que o poder público em Araguaína, Procon e instituições do Estado, façam a empresa responsável pelo transporte dos estudantes em Araguaína, cumprir a lei que garante 50% ao estudante. Segundo o parlamentar a lei é oriunda de 1992. “Isso é um serviço básico garantido na constituição!”, frisou. 

O deputado disse que falará novamente com o secretário Adão para solicitar informações. "Precisamos de respostas. Se tá difícil para mim enquanto deputado para ter uma resposta, imagina para um cidadão mais simples", criticou.