Economia

O consumo das famílias de Palmas continua aumentando. Em fevereiro, a intenção chegou a 88,4 pontos, contra 87,8 de janeiro, resultando em um crescimento de 0,6 pontos. Comparando com fevereiro de 2015, que registrou 119,8 pontos em seu índice geral, fica visível o rastro das quedas seguidas ocorridas no ano passado, já que a redução chega a 31,4 pontos. A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) foi realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) em parceria com a Fecomércio Tocantins.

De acordo com o presidente em Exercício da Fecomércio Tocantins, Domingos Tavares de Sousa, esse aumento pode ser creditado às perspectivas positivas dos consumidores em início de ano. “Nesse período, as pessoas estão mais propícias às influências otimistas com relação à economia nacional. E isso provocou esse pequeno aumento”, ressaltou Sousa.

Das famílias entrevistadas, 70,8% disseram que o consumo está sendo menor na comparação com fevereiro do ano passado. E que o momento não é adequado para a aquisição de bens duráveis segundo 54,8%.

Mais da metade, ou seja, 55,3% afirmaram que a perspectiva de consumo para os próximos meses será menor do que no segundo semestre de 2015.  O acesso ao crédito ou empréstimo ficou mais difícil para 75%.

Os aspectos positivos ficaram com a perspectiva profissional para os próximos seis meses, confirmada por 41,1% que preveem melhorias nesse período. A situação do emprego, quando 71,3% afirmaram estar mais seguros. E a situação de renda, em que 49,9% disseram estar melhor do que o mesmo período do ano passado.

A ICF

Analisando sete itens juntos aos consumidores da Capital, a ICF levanta as situações do emprego, da perspectiva profissional, da renda, do acesso a crédito ou empréstimo, do consumo atual, da perspectiva de consumo, e do momento para consumo de bens duráveis. A pesquisa de fevereiro foi realizada nos últimos dez dias do mês de janeiro, quando foram entrevistadas 500 famílias. Os números aqui citados são do índice geral, ou seja, das duas categorias de famílias pesquisadas: as que ganham até 10 salários mínimos/mês e as que recebem acima desse valor. A ICF adota a escala de 0 a 200 pontos, considerando-se positivo acima de 100 pontos e negativo abaixo deste número.

Por: Redação

Tags: Domingos Tavares de Sousa, Fecomércio