Estado

Foto: Divulgação Cláudio Lamachia, presidente da OAB Nacional Cláudio Lamachia, presidente da OAB Nacional

A ocorrência registrada de possível agressão à advogada Iara Maria Alencar, 63 anos, por parte de um agente da Polícia Civil dentro da Delegacia de Paraíso do Tocantins na noite do último sábado, 27 de fevereiro, deixou a classe indignada e mobilizou advogados de todo o País. Nesta segunda-feira, 29 de fevereiro, o presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Cláudio Lamachia, concede entrevista coletiva no Aeroporto de Palmas/TO, às 11h20, para falar sobre o caso.

A visita de Lamachia à capital tocantinense tem o objetivo de deixar claro que a Ordem não vai permitir que as prerrogativas dos advogados sejam desrespeitadas ou afrontadas. “O que parece ter ocorrido sábado foi um absurdo. Uma profissional de 63 anos que vai ver um cliente não pode ser agredida na delegacia, e nem muito menos ameaçada com uma arma, pela autoridade policial. A OAB não vai permitir que fatos absurdos como esse ocorram”, destacou o presidente da OAB-TO, Walter Ohofugi.

Depois do episódio, a advogada registrou ocorrência contra o agressor e passou mal, tendo que ser hospitalizada.

Nesta segunda-feira, a OAB também vai cobrar oficialmente providências da SSP (Secretaria da Segurança Pública). Em ações paralelas, a OAB-TO auxiliará Iara na possível ação que ela moverá contra o Estado e o possível agressor.

“Estamos diante de um fato que, se confirmado, é um escárnio, pois se uma profissional idosa recebeu esse tratamento da autoridade, imaginem o que ocorre com o cidadão comum”, destacou Ohofugi, ao reafirmar que a OAB não irá poupar esforços para que não ocorra mais qualquer desrespeito às prerrogativas dos advogados no Tocantins.