Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (PTB) criticou durante a sessão matutina desta quinta-feira, 3, na Assembleia Legislativa do Tocantins, as prioridades definidas pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB) na construção de obras de interesse público na capital. O deputado criticou principalmente a prioridade dada ao Bus Rapid Transit (BRT) em detrimento de um Hospital Municipal de Urgência e Emergência. "Tenho o maior respeito, a melhor relação com o prefeito Carlos Amastha, mas não posso acreditar que vamos assistir uma obra de R$ 1 bilhão, que é o BRT, numa cidade que não tem um Hospital de Urgência e Emergência. Se uma criança for queimada em casa, alguém levar uma facada, for atropelado, o HGP (Hospital Geral de Palmas) não é o lugar. A obra de ampliação do HGP está parada", argumentou. 

Ainda falando sobre prioridades, o deputado elencou obras concluídas durante o período em que seu pai, o governador Siqueira Campos, era o gestor do Estado, ou mesmo, durante o período em que ele (Eduardo) estava à frente da gestão da Prefeitura de Palmas e afirmou: "Digo isso porque se Palmas tem um Aeroporto, o Estado o fez e foi buscar o dinheiro e reservou a maior área de aeroporto que permite a Palmas ser a capital da logística nacional. Se Palmas tem uma ponte de oito quilômetros e meio, lá não tem um centavo federal. Se Palmas tem o HGP, o Dona Regina, o Estádio, o Kartódromoa duplicação (perímetro urbano da TO-050), o Espaço Cultural, foi porque alguém que estava no poder público atendeu demandas naquele momento", lembrou. 

Eduardo ainda pediu que o prefeito consulte a população da capital sobre suas prioridades. "Começarmos uma obra de R$ 1 bilhão sem começar o Hospital de Urgência e de Emergência, me perdoe prefeito, a sua campanha se baseou e iniciou-se com a discussão da expansão do Plano Diretor, tema interessante, mas naquela altura sua excelência se colocou como um cidadão clamando por alguma coisa que não concordava, parabéns! E em função disso vieram outros debates e sua excelência tem a honra de ser o prefeito de Palmas, mas eu pediria a ele, da forma mais respeitosa, peço com carinho, com zelo, com atenção, vamos consultar a população!?", conclamou Eduardo. 

O parlamentar também lançou dúvidas e questionou a obra do BRT e se o Governo Federal realmente vai liberar o vultuoso recurso para Palmas. "Começar agora no final do mandato para terminar quando? Será que a presidente Dilma (Rousseff), que está cortando recursos de áreas importantíssimas, vai dar R$ 1 bilhão para Palmas, para nós termos o BRT?! Qual é a prioridade?!", questionou Eduardo. 

Governo do Estado 

Eduardo Siqueira Campos também não poupou críticas à gestão estadual do governador Marcelo Miranda (PMDB) e falou em calamidades no Estado do Tocantins. O parlamentar criticou problemas nas escolas, na negociação com categorias de servidores em greve, entre outros. “Nós acabamos de ver aprovado requerimento que versa sobre a calamidade pública em questão da seca, mas a calamidade que eu vejo, que carece de enfrentamento e de ferramentas de gestão para podermos combate-las são outras”, afirmou.

O parlamentar disse já nem saber o número de escolas no Estado que estão sofrendo dificuldades por falta de luz. “Escolas nesse estado hoje que não estão tendo aulas porque a luz está cortada. Passamos um mês sem transporte escolar, agora estamos com a energia cortada. [...] sei que o secretário de educação não está deixando as escolas terem a luz nas escolas por vontade própria. É falta de despachar com os secretários, de sentar na mesa e sentar com cada um.

Eduardo Siqueira comentou a possível agressão sofrida pelo secretário da Administração, Geferson Oliveira.“Há poucos dias um secretário de estado foi agredido, o que não tem o meu apoio, mas também não tem o meu apoio não levar para dentro do Palácio (Araguaia) e resolver a questão dos enfermeiros. Reúna seus secretários, governador. Mande religar a luz das escolas. Não deixe esse estado ser notícia por todas as áreas por calamidade pública. Vem do corte de luz ao transporte escolar. Que vai da falta de luva e de insumos básicos para a saúde a greve dos funcionários porque se não os funcionários vão apanhar em cada visita que fizerem”, criticou.

Sobre a violência no Estado, Eduardo Siqueira disse ter feito ofício no dia 2 de fevereiro ao comandante da Polícia Militar, ..., para saber o número de policias cedidos oficialmente e extraoficialmente a outros órgãos, mas não foi respondido até então. “Acho difícil outro estado no Brasil que não tem nenhum policial civil numa cidade, nenhum policial militar numa cidade”, completou. 

Eduardo Siqueira também lançou críticas quanto aos livros didáticos para o ensino infantil. "Isto é uma vergonha! Deixa uma sala de aula sem luz porque a energia esta cortada mas distribui livros, para não dizer pornográficos!", criticou. 

Wanderlei Barbosa reforça críticas

O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) também criticou as gestões de Palmas e do Estado. Segundo o parlamentar, portarias, decretos e projetos penalizam o contribuinte do Tocantins. “Votei contra e vossa excelência (dirigindo-se a Eduardo Siqueira) também votou contra o pacote de impostos do governo. [...] Nós tivemos uma explicação do governo (do Estado) de que o retorno seria numa infraestrutura melhor, educação melhor, coisas que não estão acontecendo”, salientou.

O parlamentar ainda continuou as críticas dizendo: “Saiam daqui e vão ao HGP ver o que está ocorrendo. Pega o seu veículo e vai a Aparecida do Rio Negro saber a qualidade das estradas. Não tem acontecido nada para melhorar a vida do tocantinense ao não ser uma carga exorbitante de impostos para o povo pagar. Será que o governo vai ficar o tempo inteiro penalizando o povo desse Estado? ”, questionou.

Sobre a capital Palmas, Wanderlei Barbosa disse que o IPTU é um dos mais caros do Brasil e que o palmense é penalizado. “A única obra do prefeito é aumentar imposto e penalizar o empresário, o povo do município e o governo do estado parece que tem o prefeito como referência para tratar dessas questões. Os dois estão péssimos, ruins e precisam melhorar e pensar no povo”, julgou. 

Posicionamento do Governo 

O Governo do Estado, através de nota de esclarecimento encaminhada ao Conexão Tocantins, informou que a energia das escolas estaduais já está sendo religada e que as unidades escolares tem gestão financeira própria, custeada pelo repasse da gestão escolar, que teve parcela depositada nesta terça-feira, 1º de março, para todas as escolas estaduais.

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) informou que os livros didáticos distribuídos na rede pública são enviados diretamente pelo Ministério da Educação às escolas, mas que, no entanto, irá promover uma varredura para localizar possível material inadequado distribuído aos estudantes.

Sobre requerimento do deputado Eduardo Siqueira Campos direcionado à Polícia Militar questionando a lotação de servidores, o Comando Geral informou que o levantamento está sendo feito e será respondido o mais rapidamente possível.

O Governo do Tocantins informou que não tem medido esforços para atender as reivindicações de todas as categorias de servidores públicos, assim como as do Sindicato da Enfermagem. 

E, por fim, esclareceu que o novo modelo de gestão do Governo do Tocantins, implantado no início deste ano, reorganizou e enxugou a estrutura administrativa permitindo que as soluções das demandas de todas as unidades administrativas sejam mais ágeis, e, em breve, os resultados já começarão a aparecer. (Matéria atualizada às 19h37min)