Geral

O deputado federal Irajá Abreu (PSD-TO), parabeniza as mulheres pelo Dia Internacional da Mulher, 8 de março, data que marca a luta pelas conquistas sociais, políticas e econômicas. “Com habilidade e sensibilidade elas desempenham seus papéis na sociedade, muitas vezes, melhor do que muitos homens. Por isso, precisam ser lembradas todos os dias”, ressaltou o parlamentar.

Irajá Abreu ressalta. “Temos presenciado a luta constante da mulher na sociedade brasileira. Na política, a mulher tem se destacado com competência e sensibilidade”.

Ainda segundo o parlamentar, a mulher é sinônimo de luta por uma sociedade mais justa. “Esta data serve também para a humanidade trazer a memória e reverenciar quem se dedicou e ainda se dedica a assegurar uma vida mais digna a todas as mulheres. O direito de votar e ser votada, o acesso à educação, as mesmas condições de trabalho que os homens, para conseguir os mesmos direitos e as mesmas oportunidades, a mulher luta incansavelmente por seus objetivos”.

Presidente da câmara de Gurupi

Nessa terça-feira, 08, comemora-se o dia Internacional da Mulher, uma data marcada por lutas e conquistas. Um momento para refletir o papel da mulher na sociedade. A mulher ao longo dos anos vem conquistando grande espaço, e a cada dia lutando para vencer o preconceito e machismo que ainda existem.

O presidente da câmara de vereadores de Gurupi, Wendel Gomides (PDT), ressalta a importância da mulher na sociedade elencando qualidades. “Sabemos que a mulher é um ser que consegue agregar muitos valores e essa frase de que ela é ‘sexo frágil’, não é verdadeira, pois ela tem uma força quase que sobrenatural e um poder surpreendente de fazer muitas coisas ao mesmo tempo”, ressaltou.

Para Wendel é importante essa ocupação da mulher no mercado e na política. “Aqui na câmara temos muitas mulheres nos gabinetes e temos a graça de termos como colegas duas parlamentares, vereadora Marílis Fernandes e Wanda Botelho que vêm desempenhando um bom trabalho. Quero parabenizá-las”, enfatizou.

Wendel comenta que embora a mulher tenha conquistado um bom espaço na sociedade,  ainda não é o ideal, pois muitas mulheres continuam sendo vítimas de violência dentro e fora de casa, tanto física como psicológica. O vereador cita dados da Organização Mundial de Saúde que mostram que no Brasil, a cada dois minutos, uma mulher é espancada. Conforme a Organização, em 2015, o Brasil passou de sétimo para o quinto lugar no ranking mundial de assassinatos contra mulheres. “São dados alarmantes e que têm que ser mudados”, expõe.

Segundo o Mapa da Violência, o número de mulheres assassinadas passou de 1.353, em 1980, para 4.762 em 2013, um aumento de 252%. Conforme o Mapa, a cada sete feminicídios, quatro foram praticados por pessoas que tiveram relações íntimas com as vítimas. “Isso é inadmissível. Temos que unir nossas forças para combater essa violência. A data é importante para comemorar, mas é essencial para refletir sobre as lutas e barreiras a serem vencidas”, conclui.