Polí­tica

Foto: Divulgação

O presidente estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) no Tocantins, Júlio César Brasil, em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã desta segunda-feira, 14, considerou democrática a manifestação contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) mas lançou críticas e informou preparação para manifesto pró-Dilma e pró-PT. Segundo Júlio César, movimentos sociais estão preparando mobilização para, possivelmente, o dia 18. “Estaremos participando juntos. Até porque não tem como não tratar da permanência da presidente Dilma, o combate ao golpe, a perseguição da mídia, dos meios de comunicação sobre o ex-presidente Lula. Não se trata apenas de combater a corrupção. Que bom seria se fosse!”, avaliou.

Segundo Júlio César, a sociedade tem o espaço para manifestar-se. “A nossa luta sempre foi em defesa da democracia. Não é algo que não soe de forma natural nos nossos corações. A sociedade tem esse espaço para fazer essas manifestações, para dizer o que está e não está gostando”, afirmou.

O presidente estadual do PT afirmou que o partido não é contrário as investigações, mas contra o fato de que estão usando a bandeira da corrupção para criminalizar o PT. “Estão usando a bandeira da corrupção para criminalizar o PT e as nossas lideranças. Não somos contra que se investigue, somos favoráveis que investigue tudo, mas que não investigue a cor da cueca do Lula”, ironizou.

Questionado sobre o porquê do Partido dos Trabalhadores não capitalizar a informação de que a Lei da Delação Premiada (Lei 12.850 de 2 de agosto de 2013), que está propiciando o combate mais intenso à corrupção, foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 2013, Júlio César afirmou: “A grande mídia não quer mostrar isso. Faz parte do processo de criminalização. Parece que foi feita pelo Moro (juiz Sérgio Moro), mas é uma das grandes conquistas junto a gestão do Partido dos Trabalhadores. Não conseguimos dar visibilidade para isso porque a grande mídia não quer mostrar”, frisou.