Polí­tica

Foto: Divulgação

A deputada federal Josi Nunes (PMDB/TO) rebateu as afirmações do presidente do Partido dos Trabalhadores no Tocantins (PT/TO), Júlio César Brasil de que, sem o PT, Marcelo Miranda não seria governador. Segundo a deputada, a afirmação não faz sentido. "É importante ressaltar que o governador foi eleito com o apoio de muitos partidos e da sociedade. O PT foi uma parceria importante, mas não acredito que tenha sido o elemento de decisão", afirma a deputada. 

Josi fez considerações quanto a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. "Reafirmo que não há golpe! Não somos oportunistas e muito menos aproveitadoras. Infelizmente temos alguns que fazem jus a esses adjetivos, mas este não é o nosso caso. Basta analisar os acontecimentos envolvendo a Refinadora de Pasadena, o famoso Mensalão e as mais de 29 fases das investigações da operação Lava-jato", explicou. 

O Partido dos Trabalhadores manifestou decepção aos votos de Josi Nunes e Dulce Miranda, ambas do PMDB. Segundo o PT/TO, as deputada preferiram "abraçar o golpe". 

A deputada reafirmou que votou pelo impeachment da presidente Dilma por entender ser preciso "moralizar o País e respeitar a legalidade. Não tínhamos outra alternativa, e essa foi a saída de emergência, um remédio amargo, mas necessário para tirar o Brasil do caos que se apresenta", afirmou. 

Confira nota da deputada Josi na íntegra 

Nota de Resposta

Em resposta às declarações do Presidente  Estadual do PT, Júlio César Brasil, a deputada federal Josi Nunes esclarece que:

- A coligação formada pelo PT e PMDB e outros partidos, elegeram o governador do Estado Marcelo Miranda e também, a Presidente Dilma Roussef, portanto, não faz sentido dizer que sem o PT , “Marcelo Miranda não teria sido eleito”.

É importante ressaltar, que o governador foi eleito com o apoio de muitos partidos e da sociedade. O PT foi uma parceria importante, mas não acredito que tenha sido o elemento de decisão. Todos os partidos foram e são, respeitados pelo  governador Marcelo Miranda, tanto que o PT participa do governo em áreas decisivas.

- Terminadas as eleições, cada partido é soberano em decisões. Portanto, o meu partido, PMDB, decidiu apoiar a abertura do processo de impeachment da Presidente, cabe a nos, seguir a orientação da sigla. Nunca interferimos nas decisões internas do PT. Minha fidelidade deve seguir a maioria do povo tocantinense e brasileiro, a minha consciência e o meu partido.

- Reafirmo que Não há golpe! Não somos oportunistas e muito menos aproveitadoras. Infelizmente temos alguns que fazem jus a esses adjetivos, mas este não é o nosso caso. Basta analisar os acontecimentos envolvendo a Refinadora de Pasadena, o famoso Mensalão e as mais de 29 fases das investigações da operação Lava-jato.

- Por último, deixo claro. Que eu votei SIM ao processo da Presidente Dilma, por entender que é preciso moralizar esse país e respeitar a legalidade. Não tínhamos outra alternativa, e essa foi a saída de emergência, um remédio amargo, mas necessário para tirar o Brasil do caos que se apresenta.

Brasília, 20 de Abril

Deputada Federal Josi Nunes-PMD/TO