Polí­tica

Foto: Divulgação

O aumento dos gastos com o aluguel dos equipamentos de fiscalização eletrônica voltou ao debate na Câmara de Palmas. Na sessão desta quarta-feira, 27, o vereador Lúcio Campelo (PR) denunciou o aumento em cerca de 100% das despesas com a locação dos pardais de trânsito, passando de R$ 136 mil para R$ 1,3 milhão por mês.

“Está rasgando dinheiro essa cidade”, ironizou o parlamentar explicando que antes a gestão pagava mensalmente R$ 136 mil por 76 pontos de pardais. Atualmente, com uma média de 172 pontos, o município está pagando R$ 1,3 milhão, ou seja, a quantidade de pardais dobrou mas a despesas com o aluguel dos equipamentos, multiplicada dez vezes. “É uma situação extremamente complicada”, resumiu Campelo.

Emerson Coimbra (PMDB) e Milton Neris (PP) concordaram e ressaltaram que não justifica um gasto médio de R$ 15 milhões por ano com o aluguel dos pardais quando a arrecadação não ultrapassa R$ 5 milhões.

Os parlamentares Major Negreiros (PSB) e Folha Filho (PTN), entretanto, enfatizaram os benefícios os equipamentos para a segurança do trânsito. “Esse tipo de trabalho de prevenção tem que ser feito”, defendeu Negreiros.

Folha, por sua vez, lembrou a redução em mais de 50% dos acidentes com vítimas fatais no trânsito da Capital graças à ampliação da fiscalização eletrônica.

A Prefeitura de Palmas publicou no Diário Oficial do município na última segunda-feira, 25, notificação de quase 20 mil veículos por infração de trânsito nos meses de setembro e outubro de 2015. 

Pauta trancada

Em mais um dia com a pauta trancada, a sessão transcorreu tendo como plateia servidores da própria Câmara Municipal de Palmas. A categoria cobra a votação de uma resolução que tramita na Casa que incorpora benefícios adquiridos aos vencimentos.

A matéria já está pronta para a votação, que não ocorre pela ausência dos vereadores da base do governo nas sessões no momento das análise da ordem do dia.