Polí­tica

Foto: Ricardo Stuckert Senadora Kátia Abreu (E) era uma das ministras mais fortes do governo Dilma Rousseff Senadora Kátia Abreu (E) era uma das ministras mais fortes do governo Dilma Rousseff

Alguns deputados afirmaram lamentar a saída de Kátia Abreu do Ministério da Agricultura. Na sessão desta quinta-feira, 12, na Assembleia Legislativa, o deputado Toinho Andrade (PSD) disse que o povo tocantinense é o mais prejudicado. “Um Estado aonde não se tem nem um milhão de votos, vocês terem a oportunidade de ver no Governo Federal uma ministra da Agricultura, que vem trabalhando pelo Brasil e especialmente pelo Tocantins”, disse.

Toinho lamentou a situação do País. “Olha o tanto de dinheiro que essas pequenas e grandes prefeituras do Estado receberam nesses últimos meses através do Ministério da Agricultura. É uma perda grande! Fico triste pelo povo tocantinense, fico triste por aquelas pessoas que iam ser beneficiadas com a continuidade do governo Dilma”, afirmou. Para Toinho, o Ministério da Agricultura é um dos mais importantes no Governo Federal. "É triste a gente ver essa situação, a gente ver que esse retrocesso só quem vai pagar o preço caro por essa situação é o povo brasileiro, em especial, o povo do nosso Estado do Tocantins', frisou. 

O deputado Ricardo Ayres (PSB) também comentou. De acordo com o parlamentar, para o Estado do Tocantins, a saída de Kátia Abreu do Ministério da Agricultura é "realmente" uma perda. "É uma perda, até certo ponto irreparável e eu digo isso pelos avanços que houveram no setor, pela possibilidade que se deu da criação de uma agência que fomentasse a agricultura e a pecuária na região que envolve os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (Matopiba) e principalmente aquilo que toda a juventude, de uma maneira em geral, comemorou, sobretudo os estudantes no que diz respeito a criação da Universidade Federal do Araguaia", disse. Para Ayres, "de fato o Tocantins perde com a saída da ministra Kátia Abreu da Agricultura", afirmou. 

José Bonifácio (PR) resumiu dizendo que o prejuízo para o Estado é muito grande, "agora, ninguém pode sacrificar o Brasil pelo Tocantins até porque a nossa insignificância perante o Brasil é tamanha que todo o nosso Estado não é metade dos habitantes, não é de São Paulo não, é de Goiânia mesmo", frisou.