Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Ainda sob os impactos da forte alteração climática que reduziram os índices de precipitações pluviométricas desde o início do ano em todo o Estado, dados coletados pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil indicam que cerca de 90% do Tocantins está sob o risco de queimadas por causa do processo de estiagem antecipado, se levar em consideração ao mesmo período do ano passado.

De acordo com os números fornecidos nesta terça-feira, 31, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Tocantins está em quarto lugar no ranking dos 10 estados com mais registros de focos de calor, perdendo apenas para os estados do Pará, Roraima e Mato Grosso.

Segundo o gerente do Centro de Monitoramento da Defesa Civil Estadual, major bombeiro Cássio de Sousa Pedro, a falta de chuvas neste período aponta a um cenário preocupante em relação à possibilidade de grandes incêndios florestais. “ A população precisa estar informada e alerta que neste ano estamos enfrentando uma forte seca que deverá se prolongar até grande parte do segundo semestre. Todos precisam estar atentos”, afirmou.

Orientações

A Defesa Civil Estadual informa que o tempo seco aumenta o risco de incêndios florestais. Com isso recomenda-se à população, não fazer fogueiras e também não jogar pontas de cigarros para fora dos veículos. Além disso, os motoristas que trafegarem por regiões sujeitas a incêndios deverão ter atenção redobrada devido à visibilidade reduzida pela fumaça. Para a população em geral, não colocar fogo em folhas ou galhos secos e principalmente nos terrenos baldios.

Umidade

A Defesa Civil Estadual orienta a todos que durante o período de estiagem, onde há aumento da temperatura e baixa Umidade Relativa do Ar (UR%), procedimentos de precaução devem ser tomados a fim de se evitar riscos à saúde. De acordo com os dados coletados, as regiões Sul e Sudeste do Estado já se encontram em estado de atenção, pois estão variando entre 20% e 30% em períodos críticos de calor entre as 12 e 16 horas.

Até 30% - Observação;

Entre 30% e 20% - Estado de Atenção;

Entre 20% e 12% - Estado de Alerta;

Abaixo de 12% - Situação de Emergência.

Por: Redação

Tags: Cássio de Sousa Pedro, Defesa Civil, Inpe