Polí­tica

Foto: Divulgação

A deputada federal Dulce Miranda, primeira-dama do Estado, solicitou ao ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, a criação de nove Centros de Referência em Assistência Social (CREAS) no Tocantins. As unidades vão oferecer serviço especializado e continuado às famílias (crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos, mulheres), em situação de ameaça ou violação de direitos, tais como: violência física, psicológica, sexual, tráfico de pessoas, situação de risco pessoal e social associados ao uso de drogas.

“Falei para o ministro sobre a minha preocupação com os jovens e a primeira infância, em relação aos cuidados e proteção social, alimentação, educação e desenvolvimento”, destacou Dulce.

Conforme a parlamentar, Terra deixou as portas do Ministério abertas ao Estado. “Ele disse que está preparando um projeto inovador para a atenção com a primeira infância e que o Tocantins vai receber o piloto desse projeto”, afirmou Dulce Miranda.    

Envolvida com a Frente Parlamentar da Primeira Infância, a deputada Dulce fez, em março deste ano, um curso de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Bolsa Família

De acordo com a deputada, o ministro destacou que não haverá cortes no Bolsa Família. Terra destacou que além de manter o Bolsa Família, o ministério deve dar atenção especial às crianças beneficiárias do programa nos primeiros três anos de vida. Para ele, uma das causas mais importantes de perpetuação da pobreza é a transmissão intergeracional da pobreza.

“O Bolsa Família é um programa extremamente importante, pois milhões de brasileiros dependem dele para não ficarem na situação de pobreza. Ele será mantido e não haverá cortes, a não ser nos casos das que estão usufruindo e não necessitam”, afirmou o ministro.

Osmar Terra destacou que todas as habilidades humanas se organizam no cérebro nos primeiros três anos de vida. “A criança bem estimulada nesta fase terá mais facilidade para aprender, uma escolaridade maior, uma profissão melhor e poderá romper com o ciclo da pobreza”.