Estado

Foto: Jully Anna

O Seminário de Educação em Direitos Humanos iniciou suas atividades nessa quarta-feira, 08, destacando a maior necessidade de inclusão e participação social. O evento acontece na sede da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Tocantins (OAB/TO), em Palmas, até esta sexta-feira, dia 10, com encerramento ao final da manhã. É uma promoção do Governo do Estado, através das secretarias estaduais de Cidadania e Justiça (Seciju), de Educação, Juventudes e Esportes (Seduc) e a Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), bem como outras entidades e órgãos parceiros.

Para a diretora de Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça, Maria Vanir Ilídio, a participação social é fundamental para a construção de parâmetros em Direitos Humanos na Educação. "Nós precisamos construir diretrizes para educar nossas crianças e adolescentes. E é aqui, no seminário, que as discussões tornam-se direcionamentos para a gestão. Quanto mais a sociedade estiver envolvida no processo, mais eficiente a educação em diversidade", indicou Vanir.

O presidente da OAB Tocantins, Walter Ohofugi Junior, iniciou o evento dando boas vindas ao público e ressaltou a importância das parcerias pelo fim das violações dos Direitos Humanos. Para ele, “a missão institucional de responsabilidade para com os Direitos Humanos é uma luta diária, e a Comissão da OAB tem se mostrado disposta a compartilhar responsabilidades para aprender e contribuir com o nosso Estado, tão jovem, mas com um potencial inacreditável", afirmou.

Em seguida, Frei José Fernando Alves, vice-coordenador da Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil, em carta encaminhada ao evento, disse que se faz necessário que a educação em Direitos Humanos comece a disputar espaço para afirmar que fora da lógica estéril e homogeneizante do capitalismo há salvação. “Para além da história dos vencedores, existe a história dos vencidos; para proclamar que a diversidade é a verdade da vida", ressaltou o Frei.

Mais afeto

A abertura do Seminário de Educação em Direitos Humanos, cujo tema é “Pela valorização da diversidade humana”, teve como conferencista a especialista em Direitos Humanos, Priscila Marília Martins, que provocou o público com uma reflexão sobre a abordagem dos Direitos Humanos para com quem precisa. "Não é tijolada teórica que convence as pessoas que temos o direito a sermos diversos. A educação em Direitos Humanos precisa chegar às camadas mais vulneráveis da sociedade com mais afeto", concluiu.

Ainda na abertura, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) realizou a apresentação artística por meio de dança por dois alunos da entidade. Por fim, crianças da Orquestra Sinfônica da Escola Municipal Beatriz Rodrigues encerraram a abertura com músicas regionais. A orquestra trabalha a música com crianças de 8 a 14 anos, com acompanhamento de rendimento escolar como parte do incentivo a arte e ao conhecimento.

Debates

O debate no evento é voltado para a Educação em Direitos Humanos como forma essencial para construção de uma sociedade que valorize mais a diversidade humana. A temática principal, “Pela Valorização da Diversidade Humana”, e os participantes estão divididos em cinco eixos de discussão, propostos pelo Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos (PEEDH): Educação Básica, Superior, Não-formal e Midiática (para profissionais da Comunicação que lidam ou fazem cobertura jornalística sobre Direitos Humanos), além do eixo sobre Sistema de Justiça e Segurança.

Confira a programação:

Dia 09

7h40: Animação.

8h15: Apresentação da pauta e da metodologia do dia.

8h30: 1ª Mesa Redonda sobre os 03 eixos do Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos.

§  Educação Básica – Profº. Paulo Fernando (UFT)

§  Educação Superior – Profª. Simone Brito (UNITINS)

§  Educação Não Formal – André Ribeiro de Goveia (Fundação Fé e Alegria)

10h30: Lanche.

10h50: Fila do Povo.

11h30: Síntese da Mesa.

12 horas: Almoço.

13h30: Animação.

14 horas:- 2ª Mesa Redonda sobre os 02 eixos do Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos.

§  Profissionais de Justiça e Segurança Pública - Prof. Antônio Sávio Barbalho (UNIRG)

§  Educação e Mídia – Marcos Urupá (jornalista, advogado e associado do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social)

15h20: Fila do Povo.

16 horas: Síntese da Mesa.

16h15: Lanche.

16h30: Trabalho de grupo, a partir dos 05 eixos do Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos.

18 horas: Encerramento dos trabalhos do dia.

Dia 10

7h40: Animação.

8 horas: Apresentação da pauta e da metodologia da manhã.

8h15: Continuação dos trabalhos em grupo.

9h30: Lanche.

10 horas: Plenária dos Grupos.

11h30: Síntese e encaminhamento do Seminário.