Polí­tica

Foto: Divulgação

As mulheres são maioria em Palmas e têm muito a dizer sobre o que querem para a cidade onde vivem. Nessa terça-feira, 14, a pré-candidata à Prefeitura de Palmas e vice-governadora Cláudia Lelis (PV) reuniu-se com mulheres e escutou os problemas que enfrentam no dia a dia da cidade e as suas sugestões para torna-la melhor.       

Relatos escancararam muitas das mazelas das palmenses e suas famílias em todas as regiões da cidade. A violência, a ausência de políticas públicas, sobretudo para os mais jovens, incluindo também a educação e a saúde, foram as principais queixas das mulheres que reclamaram também de descaso do poder público municipal e inclusive da falta de apoio para iniciativas de cunho social promovidas pela própria comunidade.   

A professora Marisa Alves, moradora do Aureny VI, disse que está cada vez mais difícil manter o padrão de ensino devido às drogas e violência e relatou ter conhecimento de meninas de 9 anos na prostituição e de meninos de 11 anos que assaltam à mão armada. “Precisamos urgentemente de políticas públicas para as nossas crianças”, disse.

Segurança

Após ouvir as mulheres, Cláudia Lelis pontuou a sua fala inicialmente nas obrigações das esferas de governo, para falar de segurança. A pré-candidata disse que não adianta ter a polícia nas ruas se não houver a política social com um olhar atento para a comunidade e destacou o que chamou de “maquiagem” na região central para disfarçar problemas. “Mas se você entra para os bairros a realidade é outra. A iluminação pouca, mato tomando conta e falta de política social, isso tudo aumenta a criminalidade”, disse.

Cláudia Lelis também disse que é preciso rever a situação das escolas e das creches, onde as crianças estão sendo mal alimentadas e as instalações mal aproveitadas. Considerou também aproveitar melhor as escolas com cursos aos finais de semana e os espaços, como praças, para atividades aos mais jovens, afastando-os das drogas e da criminalidade.  

Na saúde, Cláudia Lelis voltou a falar da necessidade do hospital de emergências e criticou a falta de gestão nos equipamentos padrão que já estão disponíveis. “As UPAs são referência, mas os problemas de saúde nas regiões continuam os mesmos, porque faltam medicamentos e profissionais para atender”, pontuou.      

Para Cláudia Lelis, somente a união de esforços será capaz de driblar as dificuldades enfrentadas pela comunidade. “É por isso que o PV está fazendo um Plano de Governo ouvindo a população e os nossos segmentos, porque a gente só vai mudar a política e a realidade atual se tivermos a contribuição e a participação de todos”, disse.

Presenças

O evento contou com as presenças das presidentes regional e  metropolitana do PMB Mulher, Meire Carreira e Ana Paula dos Santos, respectivamente; da presidente do PV Mulher Jovem, Dandara da Silva Matias; da subsecretária de Estado da Educação, Morgana Nunes Tavares Gomes, e das pré-candidatas a vereadoras, Irmã Zuleide e Socorro Franco, ambas pelo PMB e dos pré-candidatos Porkão e Jeruílson, ambos pelo PV.