Estado

Foto: Divulgação

O relógio ainda nem marcava 8h dessa quinta-feira, 30, quando os auditores fiscais da Receita Estadual começaram a ocupar o hall de entrada da Secretaria da Fazenda, prontos para mobilização deflagrada como alternativa de alertar o governo da necessidade de resolver os problemas da falta de segurança e sucateamento das unidades fiscais, bem como da atualização do Ressarcimento de Despesas de Atividade Fiscal, Redaf.

Um ato cívico marcou o início da manifestação, com a execução do hino nacional. Em seguida, o discurso do presidente Carlos Campos justificou o movimento. “Nós não fugimos da nossa responsabilidade, estamos batendo metas de arrecadação; 214 milhões de ICMS, 237 milhões de todos os tributos estaduais. O nosso trabalho atingiu uma marca histórica. Mas e a valorização do servidor,como fica?”, indagou o sindicalista.

Depois foi a vez de chamar atenção ao som das buzinas e apitos, que ecoou por todo o prédio da Sefaz. Sem dar uma palavra, o secretário da Fazenda, Edson Nascimento, passou pelos manifestantes ao chegar, no inicio da manhã.

Às 14h, a pedido da categoria, o subsecretário da Fazenda, Paulo Antenor, abriu as portas da sala de reuniões do prédio da Sefaz para o presidente Carlos Campos, acompanhado de membros da diretoria e alguns sindicalizados; nenhum fato novo foi revelado a respeito do posicionamento do governo. A novidade foi a sugestão do subsecretário sobre a segurança nos postos. Para ele, é possível avaliar a possibilidade do uso de armas de fogo por parte dos auditores fiscais. Mas Antenor afirmou que não assinaria nenhum documento “no calor de uma manifestação”. A mesma imprevisibilidade se manteve sobre as outras pautas levantadas pela categoria.

Ao deixar o prédio da Sefaz, os representantes do Fisco seguiram para a sede do Sindifiscal, onde a categoria esperava o inicio da assembleia geral da categoria. O prazo de 20 dias para que o governo reveja o posicionamento mantido até agora foi aprovado com ampla vantagem. Depois disso, a greve geral deve ser deflagrada por tempo indeterminado

Por: Redação

Tags: Paulo Antenor, Sindifiscal