Polí­tica

Foto: Divulgação Gaguim comentou sobre a recente visita de Derval de Paiva à senadora Kátia Abreu Gaguim comentou sobre a recente visita de Derval de Paiva à senadora Kátia Abreu

O deputado federal Carlos Gaguim (PTN) afirmou nesta terça-feira, 5, ao Conexão Tocantins que torce para que o ex-vice-prefeito de Palmas/TO, Derval de Paiva (PMDB) seja candidato a prefeito na capital. Derval compõem o grupo da Frente por Palmas (PV, PMDB, PP, PRTB, PSDC, PMB, PHS), que tem, além dele como pré-candidato ao Paço Municipal, também a vice-governadora Cláudia Lelis (PV) e Kairo Bernardo (PHS). “Derval não soma nada, ele não mora em Palmas. Quando foi eleito ele entrou na carrocinha”, disse Gaguim, referindo-se ao fato de Derval de Paiva ter sido eleito vice-prefeito em decorrência do prestígio do cabeça de chapa à época, Raul Filho, que foi prefeito da capital em dois mandatos.

O parlamentar foi taxativo ao dizer que Palmas têm de ter candidato que resida na capital. “Ele foi prefeito de Palmas morando fora da capital”, disse o deputado referindo-se ao período em que Derval assumiu a gestão da Prefeitura de Palmas, em substituição ao então prefeito Raul Filho, que havia se afastado do cargo para concorrer à reeleição, tendo como sua vice, na oportunidade, a pedetista Edna Agnolin.  

Gaguim ainda comentou sobre a recente visita de Derval de Paiva à senadora Kátia Abreu (PMDB). Fato que foi informado pelo site T1 Notícias. “À noite eu estive com a senadora Kátia e ela me disse: ‘eu praticamente expulsei ele daqui’”, contou o deputado.

Segundo Gaguim, que era membro do PMDB antes de migrar para o PMB e posteriormente para o PTN, a reação e afirmação da senadora, que cobrou um acordo que teria sido descumprido por Derval, com relação à divisão de poderes no Diretório Estadual do PMDB e diretórios municipais, confirma o que ele (Gaguim) dizia antes de deixar o PMDB, que havia um acordo para divisão da direção dos diretórios municipais do partido no Estado. “Por que eu saí do PMDB? Por causa do Derval, este velho mentiroso! A Kátia na época era ministra (da Agricultura) e não falou nada”, disse Gaguim.

Segundo o deputado, o compromisso era metade da composição dos diretórios municipais para o grupo da senadora, do qual ele fazia parte e outra metade ficaria com o governador Marcelo Miranda e as deputadas federais Dulce Miranda e Josi Nunes. “Fizemos o acordo e fomos ao Michel (Temer, então presidente nacional do PMDB). Eles escolheram 58 municípios e depois que pegaram a presidência (do Diretório Estadual) destituíram os nossos (diretórios)”, relembrou Gaguim.

O acordo

Depois do citado acordo, Derval de Paiva foi eleito para comandar o PMDB do Estado em eleição no dia 15 de maio do ano passado. O nome de Derval foi consenso na legenda inclusive teve o aval da ministra Katia Abreu que estava à frente da comissão interventora do PMDB. Naquela oportunidade a primeira vice-presidência do Diretório Estadual ficou com a deputada federal Josi Nunes e a Secretaria Geral com Paulo Lima, indicado pela senadora na ocasião. Em seu primeiro discurso após eleito Derval havia dito que era o fim das divisões no partido e chegou a pedir a união para fortalecimento da legenda. 

Posteriormente, entretanto, Derval de Paiva, renovou as executivas de 80 diretórios municipais em busca de consenso.