Polí­tica

Foto: Divulgação

Por 17 votos a 7, a eleição para a nova presidência da Assembleia Legislativa do Tocantins resultou na manhã desta sexta-feira, 8, em vitória para a chapa encabeçada pelo deputado Mauro Carlesse (PHS) que disputou com Osires Damaso (PSC), atual então presidente da Casa.

Os 24 deputados foram chamados para votação secreta. Ao ser chamado, cada deputado, com uma cédula em mãos, marcava sinal na opção que desejasse e em seguida, inseria-se o voto na urna. 

Os deputados Paulo Mourão (PT) e Olyntho Neto (PSDB) foram indicados pela mesa diretora da sessão como escrutinadores da eleição.

Quem anunciou o resultado foi o deputado Olyntho Neto (PSDB) e gerou discussão. O deputado Paulo Mourão (PT) chamou atenção para suspeição sobre a eleição. “Aqui existe os votos que foram feitos ao deputado Osires Damaso, todos normais, com o X dentro dos quadros e os votos que estão ao deputado Carlesse tem 4 votos que podem ser considerados votos normais, mas tem aqui outros todos os votos com identificações personificadas, eu creio que isto é preciso levar à discussão da mesa para que isto não possa transparecer algo que crie uma situação de suspeição sobre a eleição, então é preciso avaliar isto. É também regimental isto, observando o artigo 12 e 13 do nosso regimento interno, que a mesa que vai discutir sobre este votos que estão aqui claros, personificados e isto é entendido como voto nulo, não podemos trazer uma suspeição desta, em hipótese alguma ter uma suspeição desta nesta casa. Eu não posso de forma alguma permitir e nem compartilhar com isto. É preciso a mesa seguir o regimento interno quem vai discutir isto são os secretários da mesa para entender. Se a mesa aceitar isto aqui...”

Damaso preferiu dar continuidade à votação. “Deputado Paulo Mourão eu deixo esta discussão para o momento oportuno e vamos dar continuidade à eleição”, disse o presidente.

Paulo Mourão chegou a dizer que o deputado Olyntho não poderia ter feito o anúncio sem observar o regimento interno e a Constituição Federal, sobre sufrágio secreto. 

Luana e Toinho 

Para vice-presidente, Luana Ribeiro (PDT) foi a vencedora com 17 votos. O concorrente de Luana foi Valdemar Júnior (PMDB), que recebeu 7 votos. 

Para segundo vice-presidente, Toinho Andrade (PSD) recebeu 17 votos e o concorrente, Rocha Miranda (PMDB), 7 votos. 

Ao cargo de 1° secretário, o deputado Jorge Frederico (PSC) foi o vencedor com 17 votos. Frederico concorreu com o parlamentar Wilmar de Oliveira (SD). 

Com 17 votos, Nilton Franco (PMDB) foi vencedor a disputa pelo cargo de 2° secretário. Seu concorrente era Elenil da Penha (PMDB) que recebeu 7 votos. 

Ao cargo de 3° secretário, Cleiton Cardoso (PSL) foi o vencedor, com 16 votos. O seu concorrente era o deputado Paulo Mourão (PT), que recebeu 8 votos.

Com 17 votos, o deputado José Roberto (PT) foi eleito ao cargo de 4º secretário. O seu concorrente na votação, deputado, Amélio Cayres (SD), recebeu 7 votos. 

Chapas 

A chapa de Osires foi composta por: Osires Damaso (PSC) - presidente, Valdemar Júnior (PMDB) - 1º vice-presidente, Rocha Miranda (PMDB) - 2º vice-presidente, Wilmar de Oliveira (SD) - 1º secretário, Elenil da Penha (PMDB) - 2º secretário, Paulo Mourão (PT) - 3º secretário e Amélio Cayres (SD) - 4º secretário. 

A chapa de Carlesse, é a seguinte: Mauro Carlesse (PHS) - presidente, Luana Ribeiro (PDT) - 1ª vice-presidente, Toinho Andrade (PSD) - 2º vice-presidente, Jorge Frederico (PSC) - 1º secretário,Nilton Franco (PMDB) - 2º secretário, Cleiton Cardoso (PSL) - 3º secretário e Zé Roberto (PT) - 4º secretário. 

Mauro Carlesse e os demais, vencedores da eleição de hoje, só assumirão em fevereiro de 2017. (Matéria atualizada às 12h37min)