Saúde

Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde anunciou nessa terça-feira, 19 de julho, que pretende incluir na lista de medicamentos gratuitos do Sistema Único de Saúde (SUS), até o fim do ano, o remédio que pode prevenir a infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). A informação foi dada pelo Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Aids e Hepatites Virais do ministério, durante a 21.ª Conferência Internacional de Aids, na África do Sul, e confirmada pelo órgão federal.

Chamado de profilaxia pré-exposição (PrEP), mas mais conhecido como truvada – seu nome comercial –, o medicamento diminui as chances de contaminação pelo vírus da Aids quando tomado continuamente, mas pode trazer efeitos colaterais, como leves disfunções gastrointestinais e renais.

A pílula de ingestão diária combina dois tipos de antirretrovirais (tenofovir e emtricitabitina) e é indicada para a população não infectada, mas que tem maior chance de contágio. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o remédio diminui em até 92% o risco de o vírus entrar nas células.

Para a CNM

Para a Confederação Nacional de Municípios (CNM) a iniciativa é boa. A entidade lamenta porém que políticas são implantadas sem definir as atribuições tanto dos entes e de quais serviços no Município que ficarão responsáveis, para que as medicações cheguem realmente ao pacientes de risco com todas as orientações e encaminhamentos necessários.

A CNM esclarece que muitas vezes os municípios recebem medicamentos de campanhas mas não sabem ou não possuem a estrutura para desenvolver as ações, as medicações muitas vezes vencem e são descartadas, desperdício do dinheiro público e necessidade da população. (CNM)