Polí­tica

Foto: Divulgação

Para atestar a segurança do voto no dia das eleições, a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), desembargadora Ângela Prudente, instalou a Comissão de Auditoria de Funcionamento das Urnas Eletrônicas, por meio de votação Paralela, iniciando os trabalhos com solenidade na tarde desta última sexta-feira (29/7). A Comissão foi designada pela Resolução do TRE-TO nº 352/2016.

“A instalação da Comissão de Votação Paralela das eleições desse ano é um momento relevante para a Justiça Eleitoral Tocantinense, pois o trabalho desta Comissão tem como principal objetivo garantir a segurança da urna eletrônica e das eleições”, ressaltou a presidente do TRE-TO, desembargadora Ângela Prudente.

Para a presidente da Comissão, juíza Silvana Maria Parfieniuk, a auditoria será capaz de demonstrar por amostragem que as informações digitadas na urna, são apresentadas em termos de resultados no boletim das eleições. “O grande papel da votação paralela é exatamente o de demonstrar que as urnas funcionam com perfeição. A urna é confiável, o sistema é programado para não ter interferências e nem poder ser manipulado em hipótese alguma”, garantiu.

Desde 2002, os Tribunais Regionais Eleitorais realizam a votação paralela que consiste na sistemática de auditoria das urnas eletrônicas para comprovar o a segurança dos seus programas.

Procedimentos

O coordenador de Suporte e Infraestrutura do TRE-TO e representante da Secretaria de Tecnologia da Informação na Comissão de Votação Paralela, Valdenir Borges Junior, realizou uma breve explicação sobre como serão os procedimentos para a auditoria das urnas. “Serão sorteadas três urnas eletrônicas, sendo uma da capital, Palmas, e as demais do interior, que já estarão preparadas para a votação”, explicou.

Júnior ainda detalhou que cédulas serão preenchidas com os números correspondentes a candidatos registrados e depois digitadas nas urnas, para a conferência. “Os trabalhos de auditoria serão realizados no dia das eleições, com as urnas sob condições normais de uso”, ressaltou.

O coordenador também destacou que os trabalhos de auditoria de funcionamento das urnas eletrônicas são públicos, podendo ser acompanhados por qualquer interessado. A auditoria acontecerá no dia da eleição, 2 de outubro, no auditório do TRE-TO.

Composição

A Comissão é presidida pela juíza de direito Silvana Maria Parfieniuk, titular e Antiógenes Ferreira de Souza, suplente. Também compõem a Comissão Cristiane Boechat e Carolina Gonçalves, representando a diretoria-geral do TRE-TO; Valdenir Júnior e Fernando Ebrahim, representando a secretaria de Tecnologia da Informação; Maria Zita Vilela Dias e Aimone Márcia Bandeira, representando a Secretaria Judiciária e Gestão da Informação; Ana Machado Catapan e Tiago Ferreira Balduíno, representando a Corregedoria Regional Eleitoral. 

Participantes

Também participaram da Instalação da Comissão, o juiz membro do TRE-TO, Rubem Ribeiro de Carvalho; o diretor executivo da Escola Judiciária Eleitoral e juiz membro do TRE-TO, Henrique Pereira dos Santos; o juiz eleitoral da 29ª ZE de Palmas, Luís Astolfo de Deus Amorim; a presidente da Comissão de Combate ao Caixa Dois Eleitoral e Defesa do Voto Consciente da OAB, Marluy  Dias Ferreira e  o diretor geral do TRE-TO, Flávio Leali.