Estado

Foto: Divulgação

Em audiência em Brasília, nesta quarta-feira, 17, o governador Marcelo Miranda juntamente com o presidente da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), Eder Fernandes acompanharam o andamento para liberação dos recursos emergenciais para o custeio da Operação Caminhão-pipa, para atender os 27 municípios do sudeste do Tocantins, na ordem de R$ 6 milhões.

O ministério orientou o Estado a decretar situação de emergência como primeiro passo para o processo de liberação dos recursos de forma ágil. Segundo o presidente da ATS, Eder Fernandes, devido o Estado ter feito a mesma solicitação, em 2015, toda a documentação e o plano detalhado de resposta já estão prontos para encaminhar ao ministério, e obter aprovação da Secretaria Nacional de Defesa Civil, etapas necessárias para que as medidas emergenciais sejam tomadas. Em 2015 esse procedimento foi realizado, mas diante da não liberação da verba no valor de R$ 5 milhões, o presidente explicou que a ATS realizou a operação caminhão-pipa com recursos próprios.

De acordo com o presidente da ATS, O sudeste tocantinense é atendido com programas permanentes de combate à seca, mas ainda assim, a operação emergencial de caminhões-pipas se faz necessária para atender as famílias da zona rural. “O problema da seca na região vem se agravando ano após ano. Este ano, por exemplo, as chuvas cessaram em abril e em maio, a maioria dos córregos do sudeste já haviam secado”, observou.

Uma das alternativas adotadas pelo governo do Estado para amenizar a crise de falta de água foi a implantação do programa Água Para Todos. Das 11.050 cisternas, quase 8.050 cisternas já foram instaladas e 21 barragens construídas das 135. Os demais reservatórios e barragens estão em processo de instalação.

Funasa

Também na Fundação Nacional de Saúde (Funasa) o governador Marcelo Miranda e o gestor da ATS trataram da liberação da segunda parcela do Programa EducaSanear na ordem de R$ 87.350,00. O EducaSanear tem investimentos de R$ 902.500,00 com contrapartida do governo do Tocantins. As ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento serão voltadas para os moradores e estudantes das cidades atendidas pela ATS.

Ainda na Fundação Nacional, a solicitação foi para que sejam disponibilizados dois engenheiros para a Superintendência do órgão no Tocantins. A falta desses técnicos, de acordo com o Fernandes, está inviabilizando a análise de importantes projetos para o saneamento do Tocantins como o que implantará esgotamento sanitário em 16 municípios.