Meio Ambiente

Foto: Nayara Rodrigues / Conexão Tocantins Área próxima a hidrelétrica de Lajeado, local em que é frequente a presença de banhistas e pescadores Área próxima a hidrelétrica de Lajeado, local em que é frequente a presença de banhistas e pescadores

Com o fim do período de veraneio no Tocantins, onde milhares de turistas e moradores dos municípios tocantinenses aproveitaram as potencialidades turísticas dos atrativos naturais, o Governo do Estado, por meio da Defesa Civil Estadual, orienta aos pescadores e banhistas que se encontrarem em áreas abaixo das comportas dos quatro reservatórios das hidrelétricas de São Salvador, Peixe Angical, Lajeado e Estreito, a manterem cautela devido ao possível aumento da vazão do volume de água.

A medida atende à Resolução nº 376 de 6 de junho de 2011 da Agência Nacional de Águas (ANA), que estabelece o período anual de veraneio nas praias do Tocantins que vai dos dias 10 de junho a 20 de agosto. Com isso, a descarga a jusante do aproveitamento hidrelétrico de Serra da Mesa em Goiás, deverá respeitar a vazão mínima de 300 metros cúbicos por segundo. Após este período, poderá ocorrer aumento no volume de água na jusante das hidrelétricas de Peixe Angical e Lajeado, onde existem diversas praias sazonais, cujas temporadas oficiais de lazer encerraram no início deste mês em todo o Estado.

De acordo com o superintendente estadual de Defesa Civil, o tenente-coronel Bombeiro Peterson Ornelas, apesar de não haver mais estrutura física montada nas praias tocantinenses, muitas pessoas aproveitam os fins de semana para desfrutar das belezas dos rios do Tocantins. “As pessoas precisam estar orientadas para não permanecerem muito próximas das comportas das hidrelétricas, principalmente em Lajeado, onde a diminuição do volume de água do rio pode propiciar locais para pesca e banho”, ressaltou.

Segundo Antônio de Almeida Figueiredo, coordenador de operações da usina hidrelétrica de Lajeado, as informações de segurança servem para orientar a todos os usuários do Rio Tocantins nas áreas abaixo do reservatório. “O que pode acontecer é que a vazão do rio pode aumentar gradativamente. Com isso, as pessoas precisam estar atentas e observar o aumento do volume de água, que acontece lentamente, mas pode causar algum acidente”, afirmou.

Dados

Dados coletados pelo Centro do Monitoramento da Defesa Civil Estadual nesta sexta-feira, 19, apontam que todos os quatro reservatórios do Estado não apresentam nenhuma alteração significativa de volume de água, observando a vazão de alerta para cada hidrelétrica.