Polí­cia

Foto: Divulgação Na cabine havia também 176 comprimidos de Citrato de Sildenafila (medicação para disfunção erétil), sem nota fiscal Na cabine havia também 176 comprimidos de Citrato de Sildenafila (medicação para disfunção erétil), sem nota fiscal

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) abordou neste último domingo, 21, na BR 153, km 329, Guaraí/TO, o TRA/C Volvo/FH 440 6X2T, placa do Paraná, conduzido por C.R.F.S, que foi submetido ao teste do etilômetro (bafômetro) o qual acusou 0.21mg de álcool por litro de ar. 

A quantia apesar de não ser suficiente para confecção de auto prisão em flagrante policial, ensejou em uma autuação no art. 165 do Código de Trânsito Brasileiro (Dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência, no valor de R$ 1.915,40). 

Diante o resultado do teste, a equipe policial decidiu revistar cabine do veículo, na qual encontrou, dentro de uma bolsa do motorista, um frasco transparente contendo 13 comprimidos de anfetamina, conhecido popularmente por rebite. 

C.R.F.S narrou que conseguiu tais comprimidos com um amigo também caminhoneiro e admitiu que já fez uso do “rebite”, em algumas oportunidades, quando estava cansado e desejava dirigir. 

Na cabine havia também 176 comprimidos de Citrato de Sildenafila (medicação para disfunção erétil), sem nota fiscal e o condutor relatou que os comprou em uma farmácia pela quantia 60 reais para uso pessoal. 

No caso especificado o motorista, além de receber a autuação por embriaguez, responderá criminalmente por transportar “rebite” para uso pessoal e a medicação encontrada sem nota será encaminhada para a Receita Federal. 

Dependência 

A PRF esclarece que o comprimido conhecido como “rebite” é um tipo de anfetamina, droga de venda proibida, que ajuda a tirar o sono e causa dependência química com o agravante que, seu uso combinado com o álcool, pode causar acidentes nas rodovias, por isso motoristas profissionais, especialmente caminhoneiros, devem evitar seu uso, a fim de preservar a própria vida e a de usuários da via.